quinta-feira, 12 de janeiro de 2012

São Francisco do Sul, Sc. - Tragédia no porto

TRAGÉDIA ANUNCIADA E MORTES NO PORTO DE SÃO FRANCISCO DO SUL


Os Sindicatos da Estiva e Arrumadores estão de luto em São Francisco do Sul, pela morte de dois dos seus trabalhadores: Alvaro José da Costa Júnior (Estiva) e Ismael de Oliveira Costa (Arrumadores). A fatalidade se deu por volta das 9 horas deste dia 11 de Janeiro, no turno da manhã, que havia iniciado às 7 horas e iria até as 13 horas, no terminal da Empresa TESC. Os trabalhadores faziam o desembarque de fertilizantes, através de uma espécie de guindaste em forma de concha, chamado Grab, que retirava a carga do porão do navio e despejava em um funil (moega), de aproximadamente 12 metros de altura, sobre os caminhões. Ismael trabalhava na casinhola da moega, enquanto que Alvaro estava subindo a escada do navio, quando a estrutura não suportou o peso da carga e ruiu, tombando, para o lado em que estava a embarcação ancorada, bem no ponto em que estava a escada na qual Alvaro se encontrava. A queda foi muito rápida e não deu tempo dos dois trabalhadores se safarem. Para o Presidente dos Sindicatos dos Arrumadores, Claudionor Marcelino, não houve acidente e sim omissão por parte dos responsáveis pela segurança do trabalhador portuário, no caso o OGMO – Órgão Gestor de Mão de Obra, entidade patronal comandada em São Francisco do Sul pelas empresas de operadores portuários. Antes do turno começar, o OGMO havia realizado os procedimentos de inspeção de segurança e dado ok para os inícios dos trabalhos, confirmando assim que não havia riscos de acidentes. Parece que a primeira falha de segurança já foi a de permitir, operação desta natureza, junto à escada do navio, o que segundo o Sindicato dos Arrumadores não é permitido. Outra questão são as condições precárias dos equipamentos, como era o caso da estrutura que ruiu e que, de acordo com os trabalhadores portuários, eram péssimas e não deviam estar em funcionamento naquele estado, ou seja, o que ocorreu já estava premeditado e foi apenas uma questão de tempo. Ouvimos uma testemunha que viu recentemente uma dessas moegas sendo soldadas, como uma “gambiarra” no improviso para sustentar mais sobrecarga até que o pior viesse acontecer, como ocorreu. Não é de hoje que ouve-se reclamações sobre as más condições de trabalho e falta de segurança no Porto de São Francisco do Sul, seja público ou privado, e os trabalhadores estão sempre em último lugar, num sistema extremamente ganancioso onde a única lógica é ganhar sempre mais e mais dinheiro. O certo é que se as coisas não mudarem drasticamente mais vidas ainda serão ceifadas em nome do capital e da boa vida de meia dúzia de mandatários locais. Vamos aguardar os próximos acontecimentos e esperar que a devida justiça seja feita, mesmo que qualquer justiça não sirva para devolver a vida dos dois trabalhadores francisquenses.Nota Oficial emitida pela empresa TESC às 18h:38' de 11/01/2012
O Terminal Portuário de Santa Catarina (Tesc), arrendatária de dois berços no Porto de São Francisco do Sul, divulgou, no início da tarde desta quarta-feira (11), nota oficial sobre acidente no navio CS Caprice que matou o estivador Álvaro da Silva Porto Júnior e o arrumador Ismael de Oliveira Costa.
“Em relação ao acidente ocorrido hoje [11] às 9h50, ocasionando o falecimento de dois trabalhadores portuários, o Tesc (Terminal Portuário de Santa Catarina) informa que está tomando todas as providências necessárias no sentido de apoiar os familiares das vítimas e investigar as causas do ocorrido. Os técnicos e engenheiros do terminal estão mobilizados de forma a averiguar todos os detalhes da operação.
“Operações de descarga de granel ocorrem desde 2004 e fazem parte do cotidiano do Tesc, sendo que os trabalhadores portuários recebem os treinamentos específicos para realizá-los, assim como os equipamentos utilizados recebem as manutenções periódicas e necessárias para garantir a segurança dos procedimentos.
“Desde que o terminal entrou em operação nenhum acidente com óbito havia sido registrado e, desta forma, a empresa lamenta profundamente o ocorrido e reforça que continuará trabalhando no sentido de aprimorar a cada dia a segurança nas suas operações”.
Depreende-se pela nota oficial do Tesc que Álvaro da Silva Porto Júnior e Ismael de Oliveira Costa fizeram apenas uma coisa errada: ir trabalhar no terminal nesta quarta-feira (11).
Acidentes no trabalho não são e nunca serão “fatalidades”.

( A matéria foi colhida do jornal O Ilheu )

Nenhum comentário:

Postar um comentário