sábado, 18 de fevereiro de 2012

Chegou o inv(f)erno !

Altamira,
Pará: Chegou o inv(f)erno!

artigo de Antônio Claret

(colaboração de Glauco da Rádio Comunitária Campeche )

Andava pelas
ruas de Altamira. Era sábado pela manhã, dia 21 de janeiro. Chovia muito, e
forte, mas com pequenos intervalos de neblina. Enfim chegou aquele friozinho,
do que aqui se chama inverno! Foi-se o calor escaldante, que traz aquela
moleza, quase insustentável. O corpo agradece e se reanima.

Quando a chuva
engrossava, procurava, então, me esconder sob uma beira de telhado que
aparecesse; quando fina, saía e, assim, pulando de lugar em lugar, tive tempo
para reparar a cidade nesse início de inverno. Aqui só há duas estações do ano:
inverno – tempo de chuva, com o leve friozinho – e o verão.

Na região do
Cais, o cartão postal de Altamira, uma placa me chamou a atenção. Era um alerta
sobre o risco de epidemia de dengue, epidemia esta que já ocorrera, aqui, em
outras ocasiões; com uma intervenção, introduzindo-se pequena mudança na frase,
provocou-se uma grande modificação na sua intenção original, transparecendo uma
verdade nua e crua e, principalmente, cruel.

À escrita
original ‘Dengue mata, cuide bem do seu quintal!’, alguém, um felizardo
anônimo, riscou com tinta azul o substantivo ‘Dengue’ e, em seu lugar,
escreveu, com letras grandes, a sigla CCBM. Para quem não sabe, CCBM significa
Consórcio Construtor de Belo Monte, nome fantasia de governos neoliberais
imiscuídos em empresas estatais e privadas, cujos rostos, assim, ficam
escondidos por motivos óbvios.

Pensei em trecho
de música de Zé Geraldo: ‘uma parte do mundo é nossa morada, a outra parte é
nosso quintal’. Tempo bom, em que o canto da liberdade ia embalado no ânimo das
massas. Uma profecia que, na Amazônia, se realiza ao contrário: hoje canteiro
de obras, quintal do mundo!

Ri sozinho, no
meio da rua; um riso de contentamento e indignação. Lembrei-me de Antônio
Maria, padre-cantor, que, nessa noite, estaria ali, no Cais. Viria, com sua
equipe, em avião fretado pela Prefeitura. Não sei de onde sai esse dinheiro! Em
pouco tempo esteve, nesse mesmo local, padre Zezinho, também cantor. Pensei:
cantar o quê – e que tom se há de dar ao canto – numa cidade condenada pela
prepotência a ficar inundada? Dois terços de Altamira ficariam sob o lago de
Belo Monte.
Levei a mão ao
bolso da bermuda, peguei a máquina fotográfica – que, nesse dia, estava comigo
– e tirei uma foto. Imaginei que era importante registrar, naquele momento, a
ação de uma pessoa que, na sua indignação criativa, expressara o sentimento de
grande parte dos altamirenses, de povos indígenas e ribeirinhos da Amazônia, de
centenas de entidades ao redor do mundo, de profissionais sérios e lutadores,
de profetas e profetizas, de movimentos populares, de algumas centenas de
especialistas, de milhares de pessoas anônimas, e de organismos internacionais
como a ONU.

Essas vozes,
embora muitas, consistentes, e cheias de energia, hoje não se ouvem porque
ficam abafadas sob o farol candente do império econômico materializado em
mega-empresas privadas de quem FHC e, seus comparsas, eram capachos, e a cujos
pés, nesse último período, ‘nossos’ governos se ajoelham, convertidos ao
desenvolvimentismo neoliberal. Essa onda desastrosa vem tomando conta da
‘esquerda’ na América Latina, buscando um lugar ao sol do mercado mundial com a
crise estrutural capitalista que sacode, especialmente, a Europa; visão caolha,
que segue rumo ao abismo no qual o velho mundo vai se afundando.

É bom saber que,
nesse governo, mais dez milhões de pessoas deixam a linha da miséria. Ao mesmo
tempo, pesquisa lhe dá 59% de aprovação. Isso não lhe dá o direito, porém, de
vender uma ilusão da crise capitalista, mundial, como oportunidade, mas, na
prática, aumentando a concentração de renda no país e acelerando a degradação
ambiental e social, em especial na Amazônia. Por ter, ainda, áreas preservadas,
o impacto do PAC sobre ela é mais palpável.

Segui,
caminhando! Algumas placas, com letras grandes e valores, às vezes
astronômicos, se vêem pela cidade de Altamira, com patrocínio da Norte Energia.
As obras sociais, ou ainda não existem ou estão consideravelmente atrasadas.
Realmente são poucas para uma cidade em condições precárias a qual, com o boato
da barragem de Belo Monte e, agora, com o início de sua construção, triplicou o
número de seus habitantes.

Esse inchamento
causa forte pressão em todos os equipamentos de serviços públicos. A limpeza da
rua, que já era parca, agravou-se com o aumento significativo do lixo. O
trânsito, em horários de pico, já é caótico. Diz-se que a violência cresceu em
30%. O número nem é o mais importante, o grave é que se ceifam vidas! Não se
acham vagas nas escolas. Não se encontram leitos nos hospitais. O hospital
regional da transamazônica, sediado em Altamira, fora ‘prendado’ pela Norte
Energia com alguns equipamentos e, com isso, tem as suas regalias. O preço dos
alimentos, dos aluguéis, tudo subiu de forma exorbitante.

As conseqüências
desse drama, de uma cidade que nota, a olhos vistos, o seu crescimento
repentino e totalmente desordenado, recai primeira e pesadamente sobre os
empobrecidos. Um morador ribeirinho de Souzel sentiu dor no peito, e cansaço,
então correu ao hospital regional em Altamira e, sem atendimento, seguiu, com a
ajuda de amigos, para Belém, mas, também não tendo um diagnóstico preciso do
seu incômodo, angaria fundo para viajar a Teresina, na esperança de identificar
e tratar a doença de que, possivelmente, esteja acometido. Infelizmente, o
‘seu’ não é um caso isolado!

No centro, perto
da catedral, um bando de urubus disputa um osso no lixo amontoado. Na boca do
Igarapé Altamira, no seu encontro com o Xingu, a poluição toma conta, com
garrafas pet e plástico boiando sobre as águas ancoradas. Elas já tomam parte
dos sobrados das palafitas. Águas previstas para março chegam em janeiro,
anunciando que o inverno será intenso. Na área alagadiça, todos sabem que o
momento da subida e descida das águas é o mais complicado: o mau cheiro fica
insuportável! Piores só mesmo os abrigos improvisados da Prefeitura, dizem,
pois as pessoas ficam amontoadas e, ausentes de suas casas, muitas de suas
‘coisinhas’ desaparecem.

No canto da rua,
a água da chuva escorre e, ao menos no inverno, limpa o esgoto das canaletas,
que corre a céu aberto.
Perto da Casa do
Índio, vêm dois rapazes, um visivelmente embriagado. O bafo da cachaça fica no
ar. No Bar da Loira, logo adiante, uma mulher chora sentada a uma cadeira e,
sobre a mesa, uma garrafa de cerveja com um copo, ainda pelo meio.

No asfalto, perto
de uma ponte, um carro do DEMUTRAN buzina, buscando abrir caminho no trânsito,
que vai se tornando infernal, e, acompanhando-o, outro do DETRAN. Pelas ruas,
em especial nas sinaleiras, a maioria instalada há pouco tempo, ficam guardas
do DEMUTRAN, devidamente uniformizados e, às vezes, com o apito na boca. Tudo
mantido em ‘convênio’ com a Norte Energia.

Aliás, é raro um
evento ou uma obra pública, de Altamira ou cidades do entorno, em que não haja
patrocínio da Norte Energia, com uma imensa placa, maior, às vezes, do que a
construção, ou com seu nome gritado, alto e bom som, ao microfone. Em Souzel,
por exemplo, na noite do dia 20, no início do XX Festival do Caratinga, ela
estava lá. Um esforço tremendo para colar sua imagem ao progresso da cidade e
região num momento em que ela inicia o barramento do Rio Xingu. Um crime, ainda
que forjado na formalidade da lei!

Nesse ano haverá
eleições municipais, e não é preciso ser cientista político para saber que nas
campanhas eleitorais em Altamira, e em todas as cidades da região, será
injetado dinheiro do povo, através da Norte Energia, uma estatal, e, claro,
‘quem contrata a banda escolhe a música’. Essa empresa, cacifada pelo governo
federal, não está preocupada com nenhum prefeitinho, mas são tantos os
problemas que Belo Monte vem criando – e a tendência é que essa situação se agrave
ainda mais -, que ela deverá fechar todo e qualquer espaço, por insignificante
que seja. A dominação precisa ser completa!

Nas portas e
paredes das casas das áreas alagadiças, mais um cartaz da Norte Energia,
buscando acalmar a população. A mensagem central é a Cota 100. Mas a água pode
ir além, como soe acontecer em barragens hidrelétricas. Essas pessoas ali
residentes, e resistentes, ainda são pássaros livres, e podem despertar-se para
a organização. Somente depois que caírem como aves presas na esparrela, aí,
sim, a empresa e o governo dirão toda a verdade. Nem precisarão dizê-lo, pois
os fatos falam por si. Por ora, afirmam apenas que todos serão indenizados. E
que ali, onde moram, será um lindo bosque com praças, algo luxuoso, e bonito.

Lê-se, nas
entrelinhas dessas promessas, um grande cinismo; uma visão preconceituosa, a
qual, sem o revelar, encara a remoção das famílias não como uma obrigação
legal, mas como limpeza social. Elas precisam ser retiradas, elas precisam ir
para a periferia, elas precisam ir para os morros, pois ali, à margem do futuro
lago de Belo Monte, há de se construir algo muito bonito. No fundo, para eles,
gente é coisa feia e povo é coisa suja.
Remexem-se as
entranhas, causa náusea e nojo só de pensar nessas autoridades, e no que passam
em seus planos, como se a aprovação nas urnas os tornasse donos absolutos do
país, e do seu rumo. E se coloca em xeque o conceito de diálogo do governo, que
não passa de imposição dos interesses econômicos privados em detrimento dos
direitos invioláveis dos povos.

Papéis da empresa
e de políticos garantem a indenização das famílias. Mas papéis são papéis! Para
se ter uma vaga idéia da insegurança dos papéis, a Norte Energia assinou
documento com o Governo do Pará assumindo o compromisso de fazer suas compras
no Estado. Trata-se de aquisições para construção de uma obra orçada em 30
bilhões de reais. Pois ela simplesmente descumpriu esse compromisso, sem
nenhuma explicação convincente, comprando, de uma só vez, 118 caminhões em São
Paulo. Especialistas calculam que isso gerou um prejuízo de 8 milhões ao Estado
do Pará. Quem não cumpre seus compromissos com tubarões do poder vai, por
acaso, cumprir seu compromisso com as famílias atingidas por Belo Monte? Crer
nisso é o mesmo que crer em mucura cuidando de ovos.

Nas áreas
alagadiças, em meio a um processo de pseudo participação das famílias no
destino de suas vidas, brilhantemente arquitetado pelas empresas, grupos de
base do MAB vão, aos poucos, se multiplicando. Já são nove! Para fora, o Xingu
Vivo Para Sempre continua o seu trabalho de denúncia. A Prelazia do Xingu, com
sua luta histórica, segue abrindo os olhos do povo. Num desafio de pigmeus
contra gigantes do império econômico privado, escorado em recursos públicos, a
consciência e a indignação vão crescendo. Aqueles que não caírem nas
armadilhas, e serão muitos, poderão, a seu tempo, rasgar a botina do vencedor.
Das últimas
notícias, vê-se que este ano será pesado, mais que 2011. A ganância tem muita
pressa! As obras de Belo Monte, dentro ou fora da lei, seguem a pleno vapor! As
máquinas roncam dia e noite, de domingo a domingo, com muitas horas extras dos
trabalhadores, super esgotados, e com poucos direitos. Continua a construção de
acessos e alojamentos. O número de operários poderá chegar, em breve, a dez
mil. No auge da obra, vão passar de vinte mil. É uma cidade forçada, feito
campo de concentração, brotando no descampado.

Inicia-se o
desvio do Xingu, cujas águas, antes azuis ou esverdeadas, se tornam turvas.
Madeireiros têm licença para desmatar área no polígono das obras. Famílias
ribeirinhas de Assurini choram suas incertezas. Atingidos em Altamira carecem
de informações seguras. Os índios Araras denunciam sua água barrenta. Guardas
privados, apoiados por homens da Guarda Nacional, cuidam da segurança no local
das obras. Ali se proíbe tudo: o acesso das pessoas, fotos, filmagens e,
especialmente, manifestações. Tudo dentro do Estado de Direito, armado!

Por esses dias,
chegam mais três balsas enormes carregadas de materiais para a barragem pelo
Porto de Vitória do Xingu. Há pouco, chegaram cento e cinqüenta grandes
máquinas.

Há contratos com
funerárias e caixões cuidadosamente reservados para os operários que tiverem a
sorte de morrer em condições de se resgatarem seus corpos. Pois os que caírem,
por ventura, em meio ao concreto da obra, dá-se logo por enterrado, no muro da
barragem, pois aquela engrenagem maluca não pára. O cimento usado é especial,
seca rapidamente, e o sistema não tem tempo a perder com gente morta. O que lhe
interessa é pessoa viva, ou melhor, a sua força de trabalho. Existem
informações de que, em Tucuruí, teriam morrido aproximadamente trezentos
trabalhadores.

Ah! Quase me
esquecia! O bordel está praticamente pronto, nas imediações dos alojamentos. No
Madeira, nas barragens de Santo Antônio e Jirau, também cacifadas pelo governo,
os operários bem comportados tinham uma cota mensal para esses gastos. Aqui
provavelmente será a mesma coisa já que, a despeito dos inúmeros discursos e
argumentos vazios, de pessoas que aceitam ser menino de recado do núcleo
central do governo, os problemas se acumulam e se agravam a cada nova barragem
anunciada e construída.

Antonio Claret é
padre em missão na Prelazia do Xingu PA, e militante do MAB.

Nenhum comentário:

Postar um comentário