sábado, 11 de fevereiro de 2012

Desmatamento criminoso no Lagamar -

Fiscais descobrem desmatamento no litoral do Paraná. ( fonte = Correio do Litoral )

Fiscais do Instituto Ambiental do Paraná (IAP) e policiais do Batalhão de Polícia Ambiental
(BPAmb) encontraram 23 hectares de vegetação nativa desmatada em
Antonina e Guaraqueçaba.

Também foram identificados queimada e construções irregulares. Os locais onde foram
encontrados os danos ambientais são encostas de morros, áreas consideradas de
preservação permanente (APP).

Para
desmatá-las é necessário licenciamento ou autorização ambiental do IAP. Na
maioria das vezes as áreas são abertas para o plantio de mandioca e vendidas a
fazendeiros para plantio de pupunha e palmeira real, espécies consideradas
exóticas.

O fiscal do IAP Sebastião Garcia de Carvalho contou que os locais eram de difícil acesso e
as equipes tiveram ajuda da população. Durante o trajeto, os fiscais orientaram
131 moradores sobre a importância da preservação ambiental e a necessidade de
solicitar ao IAP a autorização ou licenciamento ambiental, dependendo da
atividade a ser desenvolvida.

A
fiscalização foi feita na semana passada, em 30 propriedades. Os proprietários
das áreas com irregularidades que não foram encontrados receberam notificações
para prestar esclarecimentos ao IAP. Também foram lavrados seis autos de
infração ambiental, somando mais de R$ 66 mil em multas. “Existem algumas
propriedades em que nós não conseguimos encontrar ninguém, por isso ainda vamos
retornar para entregar a notificação ou a autuação por desmate sem autorização”,
comenta Sebastião.

Segundo o
IAP, pela primeira vez a fiscalização ocorreu áreas particulares que investem na
preservação. Esses locais recebem o título de Reserva Particular do Patrimônio
Natural (RPPN) que podem ser municipais, estaduais e federais, de acordo com o
cadastro feito pelo proprietário da área.

Foram visitadas cinco RPPNS que
preservam cerca de 13 mil hectares de mata nativa. Para um dos
coordenadores do IAP na Operação Verão e coordenador de RPPNS no IAP, Marcos
Antonio Pinto, o objetivo das visitas é acompanhar a preservação em cada
propriedade, auxiliando os proprietários no processo de manutenção e
fiscalização de suas áreas.

“Durante muitos anos essa área importante de
preservação ficou esquecida pelo IAP e nós precisamos recuperar o tempo perdido,
apoiando e auxiliando os proprietários particulares, que preservam suas áreas de
maneira voluntária. Temos que estabelecer uma parceria, séria, objetiva e
participativa, a quem realmente está preservando nossos ecossistemas em seu
estado natural”.
_______________________________________________________________
_______________________________________________________
____________________________comentário ______________
Anote-se, que a rodovia federal, Mario Covas, br 101, não atravessa o litoral paranaense para preservar a região. No entanto, não é a rodovia que provoca a tragédia ambienta. São as pessoas, o capital, a ganancia... Isso que deve ser visto pelas autoridades competentes e não é visto. A região faz parte do Lagamar, considerado o melhor roteiro ambiental do mundo, pela Unesco.

Roberto J. Pugliese

Nenhum comentário:

Postar um comentário