domingo, 29 de abril de 2012

Santuário preservado pela Marinha no litoral de São Paulo.

Alcatrazes, ilha paulista, do litoral norte. Um santuário preservado pela Marinha de Guerra do Brasil.



Ao sudeste da ilha de São Sebastião, integrando o município de São Sebastião, Estado de São Paulo, a ilha do Alcatrazes, tem 3 picos de pedra com alturas diferentes.

Parece uma fortaleza vista de longe, os índios a chamavam de Uraritau,  trata-se de uma ilha de beleza extrema.

No século XX, na década de 50, vários moradores trabalhavam na ilha com a extração de guano, o excremento das aves, que era vendido aos japoneses como fertilizante. Para lá, também remavam os caiçaras mais habilidosos e destemidos em busca dos melhores peixes.

Distante 33 km do continente, o arquipélago é composto pelas Ilhas do Paredão, do Porto, da Sapata e de Alcatrazes, a principal,uma formação rochosa com 2.500 metros de extensão, 266 metros de altura sem praias. Também fazem parte do complexo insular quatro ilhotas e duas lajes. É berçário de aves marinhas, como fragatas e atobás. Atualmente, a pesca ao seu redor está proibida e o acesso é restrito pelo ICMBIO e pela Marinha.

O Arquipélago dos Alcatrazesé propriedade da União. Tem intrincada jurisdição  representada  pela Marinha e pelo ICMBIO, que contrapõe muitas vezes suas atuações.

Um exemplo é o exercício de tiros dos navios da Armada Brasileira, realizados sob argumentos de que a prática não afeta a biota do lugar por ocorrer em menos de 5% de seu território. Os alvos são pintados num paredão rochoso e, segundo fontes militares, a munição utilizada é inerte. Porém, a sociedade e a própria Marinha tecem conversações sobre o melhor aproveitamento social do local.


Roberto J. Pugliese

( Fonte : Jeannis Michail Platon, mergulhador, escritor...)

Nenhum comentário:

Postar um comentário