sábado, 20 de outubro de 2012

Santa Catarina se industrializa rapidamente.


Norte catarinense é palco visível de industrialização.

Santa Catarina está recebendo com bastante euforia a notícia de que a BMW será instalada no município de Araquari, na região metropolitana de Joinville. Nas imediações, também às margens da Rodovia Mário Covas ( BR 101 ) a General Motors tem área destinada para implantação de mais uma montadora, que ainda não saiu do papel por causa da crise financeira mundial.

Quem vem do Paraná, atravessando a fronteira em Garuva, em direção ao sul do Estado, poderá observar atentamente que ao longo dos municípios litorâneos do nordeste catarinense, são inúmeras as indústrias que estão se instalando ao longo a referida rodovia federal. Industrias bem diversificadas,que inclui montadoras de automóveis, alimentícias, mecânicas pesadas e outras que, juntas estão movimentando a economia regional.

Recordo-me com saudades, do final dos anos cinqüenta do século passado, quando às margens da ultra moderna via Anchieta, na região do planalto  a industrialização do ABC paulista se acentuava. Industrias igualmente variadas ampliando a geração de riquezas provenientes da industrialização para todo o país.

Passados aproximadamente sessenta anos, o que se deu na região metropolitana de São Paulo, então já com um considerável parque industrial, agora se repete no nordeste catarinense, aproveitando o parque industrial mecânico já existente em Jaraguá do Sul e Joinville, de forma a fomentar consideravelmente a economia de pequenos municípios costeiros, cuja vocação natural, até então sempre fora a pesca artesanal e mais recentemente o turismo.

Encravados entre os portos de São Francisco do Sul, Itapoá, Navegantes e Itajaí, os municípios de Piçarras, Penha, Barra Velha, Araquari, Garuva e Joinville, atravessam momentos de sucesso econômicos voltados para a exploração industrial.

Mudança radical que se opera a olhos vistos, provocando a vinda de operários especializados, formados no vizinho Paraná ou no sudeste, já que mudar a cultura regional, cuja mão de obra não está preparada para ingressar nas fábricas automatizadas que se instalam, exige investimentos na preparação adequada, ou seja, investimentos econômicos e tempo.

Enfim: O litoral norte de Santa Catarina, que há pouco mais de 50 anos era isolado e constituído por pequenas cidades que viviam da pesca artesanal, se adaptou, com a inauguração da então BR 06, atual BR 101, ao turismo originário dos Estados vizinhos e do cone sul, terá que se adequar a industrialização que já é uma realidade.

Roberto J. Pugliese

 

 

 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário