sábado, 24 de novembro de 2012

O cruel isolamento de Guaraqueçaba e seu povo.


Isolamento x meio ambiente.

Quase 9.000 pessoas são penalizadas há anos em nome da preservação ambiental. Refiro-me ao povo que habita o município de Guaraqueçaba, no extremo litoral norte do Paraná, que encravado em área de preservação ambiental, rodeado de parques florestais, se encontra isolado do resto da civilização.

Seu acesso não dispõe de rodovia asfaltada. A Br 101, que atravessa o litoral brasileiro em toda a costa leste, não está se quer demarcada no litoral paulista e paranaense. Em S. Paulo, a rodovia SP 55 e outras é que estão no leito onde deveria estar a estrada federal. No Paraná, igualmente são rodovias estaduais que ocupam o seu lugar.

Acessar a Guaraqueçaba somente de barco ou através de uma estrada pessimamente conservada, cujo trajeto de 70 km. aproximadamente, faz com que o motorista imponha ao seu veículo, velocidades que não alcancem  50 Km. por hora, dada as condições deploráveis.

Barco só particular. Ou então, da linha, uma vez por dia. E assim, o povo fica isolado, sem qualquer comunicação por trem ou avião, na espera de melhorias mínimas na rodovia, de forma que ambulâncias, por exemplo, possam percorrê-la com maior segurança.

A cidade não se desenvolve, a despeito do potencial turístico, por falta de rodovia. Em homenagem a preservação ambiental, a cidade permanece estagnada dado o isolamento.

Percebem-se, mais uma vez, que às avessas é que se preserva o meio ambiente. Ora determinando demolições de construções tradicionais existentes; ora inibindo a construção de rodovias ou de suas duplicações em face do elevado movimento; ora a proibição de concessão de alvará de funcionamento de alguma empresa comercial, industrial ou de serviços... e assim por diante.

Sem delongas, insta salientar, que Guaraqueçaba, a histórica cidade litorânea, tem trilha usada por cavaleiros, motoqueiros e pedestres, que une a cidade à Cananéia no Estado de São Paulo. É o leito da antiga trilha dos telegrafo, concluída por ordem de Don Pedro II para unir a Capital Imperial, Rio de Janeiro ao sul do país. Se a trilha estivesse em condições, aberta e conservada, ao invés de jeepeiros e outros aventureiros, se poderia explorá-la, posto que atravessa a região do Lagamar, junto a Serra do Mar e o canal do Varadouro, de belezas impar.

Enfim: Enquanto o município fica isolado em nome da preservação ambiental, em Florianópolis, as autoridades ambientais, as mesmas que permitiram a construção de um mega Shopping Center no manguezal da Trindade, agora estão prestes a autorizar o mega empreendimento imobiliário na Ponta do Coral...

Roberto J. Pugliese.
www.pugliesegomes.com.br

 

 

 

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário