sábado, 19 de janeiro de 2013

Centralização dificulta obras de infraestruturas.

Rodovia Mário Covas: duplicação a passos de tartaruga.

Campos a principal cidade do norte fluminense precisa de rodovia duplicada, no entanto, o trecho até  Rio Bonito está andando a passos de  tartaruga manca.

O transito é intenso e a BR101 não tem as obras de infra estrutura ou arquitetônicas fundamentais para sua duplicação num rítimo convincentes. Os licenciamentos ambientais foram liberados, no entanto, não fluem os trabalhos de campo.

Comenta-se que a concessionária da rodovia federal está transferindo para outra empresa, uma espanhola, seu direito de exploração e portanto, está retardando os investimentos. E a ANTT, Agencia Nacional de Transportes Terrestres não cumpre sua obrigação: Não fiscaliza o cumprimento do contrato de concessão.

O que ocorre no interior do Rio de Janeiro, se observa na região metropolitana de Florianópolis, no Estado de Alagoas, no sul de Santa Catarina... e os pedágios continuam sendo cobrados e as obras negligenciadas.

O Ministério Público, a OAB e os parlamentares deveriam ultimar medidas urgentes e  enérgicas.

Mas, o Brasil Federal, com quase 9 milhões de quilômetros quadrados, centralizado numa Federação fajuta é isso: De um lado o povo oprimido e explorado e de outro as autoridades constituídas omissas.

Ademais, ajunte-se que se o Rio de Janeiro reclama que a União não duplica a rodovia, espinha dorsal que atravessa todo o Estado, em São Paulo e no Paraná, ela apenas existe no papel... e só.

Esse é o Brasil cuja federação é piada.

Roberto J. Pugliese
www.pugliesegomes.com.br
Autor de Direito das Coisas, Leud
Membro da Academia Itanhaense de Letras.

( Fonte: Blog do Rob erto  Moraes )

Nenhum comentário:

Postar um comentário