quinta-feira, 30 de maio de 2013

Memória nº09 - Expulsão do Círculo Militar de São Paulo.


Memória 9
CIRCULO MILITAR

Eram os anos de chumbo. Nos seus vinte anos de idade na condição de  dependente de seu pai, junto com seus irmãos, freqüentava o Circulo Militar de São Paulo.

Tinha amigos. Jogava tênis. Fazia sauna. Aos domingos tinha a concorrida domingueira. Enfim, um clube social, à Rua Abílio Soares, próximo a Assembléia Legislativa, no Parque Ibirapuera.

Residia com a família à Rua Manoel da Nóbrega, distante apenas alguns quarteirões do clube. Na redondeza tinha muitos amigos.

Àquele tempo, ser barbudo era sinônimo de comunista e ser comunista era ser contra a Revolução que os golpistas do poder impunham à vontade do povo.

O clube através de sua diretoria determinou ser proibido freqüentá-lo se fosse barbudo e ele tinha longas barbas, como até hoje as tem. Eram escuras, com alguns fios ruivos. Atualmente são brancas, com alguns fios que permanecem ainda escuros.

Reunido com amigos sócios do clube, resolveram enviar carta a direção, pedindo que a medida fosse revogada. Entre outros argumentos, falaram de militares, cujos bustos estavam expostos no clube e eram barbudos. Falaram de Jesus e da importância de estarem presente no clube e não vagando, nas horas de lazer, pelos bares etc.

Não adiantou. A carta foi mal recebida. Seu pai foi chamado. Não deu bola. Apenas comunicou que dera educação ao filho e que ele sabia o que estava fazendo. Um procedimento administrativo foi instaurado. Foi suspenso preventivamente.

Durante o período, ficou com medo. Mas enfrentou. Num determinado sábado, haveria o interrogatório: Um advogado e diretores membros da Comissão Processante... e o resultado esperado foi assinalado: EXPULSO.

O Gal. Cláudio presidente expulsara pela insolência de rebater sua determinação com argumentos. Atitude própria de general frustrado.

Certa tarde estava na casa de um de seus amigos e uma senhora foi visitar a dona da casa. Como estavam ocupados, ele fez as vezes de dono da casa enquanto aguardavam a verdadeira dona, mãe do amigo.

Soube depois que a senhora o elogiara pela a educação e boa conversa e que ouviu da dona da casa que o marido dela, o referido Gal. Cláudio o havia expulsado, em razão da barba...

Mas logo, haveria eleições no clube. O candidato da oposição era o Almirante que residia nas imediações. Junto com alguns amigos foi a sua casa e explicou que fora expulso, que iria fazer campanha para ele e gostaria que se fosse vencedor revisse o processo. Se achasse injusta a expulsão então anulasse ou então mantivesse a expulsão...

Durante uns 30 ou 40 dias, andou de casa em casa nas imediações pedindo votos ao Almirante e o veredicto das urnas foi vitória da oposição. Gal. Cláudio perdeu.

Posse do Almirante e depois de alguns dias, lembrado, determinou fosse revisto o processo. Passado uns 60 dias, seu pai recebeu uma comunicação que o filho estava sendo readmitido, visto que a expulsão fora decretada nula.

Feliz, escreveu outra carta e protocolou no clube. Nela dizia que estava se excluindo do clube, visto que era uma associação autoritária e não iria permanecer ali como sócio... 

Essa passagem está bem viva em sua memória.

Roberto J. Pugliese
www.pugliesegomes.com.br
membro da ACADEMIA ITANHAENSE DE LETRAS
membro da ACADEMIA ELDORADENSE DE LETRAS

Nenhum comentário:

Postar um comentário