sábado, 22 de março de 2014

OAB ES representa contra magistrado que ofende advogada.


 

Juiz do Trabalho ofende advogada e sofre representação.

 

A OAB-ES no dia 17 de março último ofereceu representação em face de magistrado do Trabalho que, em sua sentença, teria ofendido uma advogada.

Na sentença, ao indeferir um requerimento da parte, disse o juiz representado:  “Desculpe-me, mas a preguiça é invencível e contagiante. Se a advogada da reclamante não tem ânimo de exibir o indispensável documento, nem se digna de indicar, ou transcrever, a cláusula do tal dissídio que respalda a pretensão de reajustamento salarial, não compete ao juízo suprir a negligência da mandatária. A propósito, o magistrado não pode usurpar poderes e/ou deveres inerentes ao mandato concedido à advocacia, dentre as quais se inclui a atitude de municiar as pretensões com substanciosas causas de pedir acompanhadas da documentação apropriada.”

Diante desse texto, a Ordem entendendo que houve violação do dever de urbanidade previsto na Lei Orgânica da Magistratura, o presidente da OAB-ES, Homero Junger Mafra, formulou a representação, na qual requer sofra o magistrado as sanções devidas por seu comportamento.

O presidente da OAB-ES destacou: “Com seu agir grosseiro e deselegante”, o juiz “ultrapassou todas as normas de civilidade que devem nortear as relações entre magistrados e advogados.”

A representação foi feita junto ao Tribunal Regional do Trabalho da 17ª Região.

O Expresso Vida ainda sugere que a representação seja enviada também ao Conselho Nacional de Justiça.

Roberto J. Pugliese
Titular da Cadeira nº 35 – Academia São José de Letras

Nenhum comentário:

Postar um comentário