terça-feira, 3 de junho de 2014

João XXX. ( memórias nº 91 )


Memória nº 91

Missa solene de despedida.

 

Chegara ao Brasil em Março de 1964, em pleno golpe militar, sendo em poucos dias designado para trabalhar em Iguape, no Vale do Ribeira. De lá em pouco tempo foi mandado para a Paróquia de São João Baptista de Cananéia que se encontrava há alguns anos sem pároco.


Assumiu e aos poucos foi ganhando a confiança da comunidade. Com o tempo foi galgando espaços e tomando conta de todo o território da Paróquia. Regularmente se dirigia ao interior, nas ilhas e comunidades isoladas e distantes para ouvir os reclamos daqueles que habitavam esses grotões.



 

 (capela do Ariri )

Assim, foi unindo a comunidade cristã e trazendo o povo para a Igreja Matriz e para as capelas espalhadas por toda a Paróquia. Capelas que criava, erguia ou reformava.

 

Sua fala não poupava ninguém. Fosse quem fosse João 30, o padre holandês que viera para o município mais velho do país, não tinha retoques e sua retórica era firme, objetiva e verdadeira. Defendia sem papas na língua, os pobres, caiçaras, negros, descendentes de quilombolas, indígenas, homens, mulheres e todos que eram injustiçados.

 

Mesmo com dificuldade para melhor expressar-se no português se fazia entender e bradava em favor de mais igualdade e menos injustiça.

 

Sempre altivo ensinava a todos se organizarem e enfrentarem as dificuldades solidários entre si. Deu ao povo carente da sociedade local a honorabilidade e dignidade de serem pessoas como quaisquer outras, através de exemplos e incentivos. Ensinou a respeito de direitos naturais, humanos e meio ambiente. Transmitiu noções de cidadania ao povo até então perdido e sem rumo da periferia da cidade e do mundo rural das ilhas que se espalham pelo Lagamar.

 

Não tinha descanso. Ora em Registro, na Diocese, em assuntos administrativos. Ora em Iporanga substituindo às férias do pároco e dia e noite viajando pelas ilhas e praias perdidas do Lagamar. Sua casa, no centro da cidade, era abarrotada de livros, folhetos e papéis que eram lidos sem trégua. Talvez para tanta energia o pároco de São João Baptista trabalhasse vinte e cinco horas diárias.

 

Dada as suas constantes andanças havia um código: Janela da sala, frontal à calçada da rua Tristão Lobo, aberta, era aviso que se encontrava à disposição de quem precisasse conversar com ele. E não faltava gente para visitá-lo. Iam denunciar abusos, pedir ajuda, falar de Deus, combinar missas... iam apenas visita-lo, como diversas vezes Lourenço indo à Cananéia fez.

 

Regularmente, em suas férias, atravessava o Atlântico para visitar a família e trazer algo que a Diocese de Registro precisava. Algo para o povo pobre do lugar. Ora era um motor de barco, ora um jeep, ora isso, ora aquilo...Trazia para a Paróquia de Cananéia e para outras paróquias carentes e para a Diocese, também bem pobre.

 
( Capela da Enseada da Baleia )
 


Sempre bem disposto, não se cansava. Viajava pelas trilhas, pelos canais, pelos manguezais e com a firmeza de sua personalidade ia ao encontro de quem precisasse. Sempre estimulando uma vida digna, melhor e mais justa.

 

Não foram poucas as situações que gente desqualificada o atacou, ou com palavras mentirosas e injuriosas ou até fisicamente, mas sempre se deram mal. Também não foram poucas as vezes que assumiu pessoalmente a defesa de humildes lavradores, contra atos de agressão promovidos por grileiros ou invasores que pressionavam para que os imóveis fossem abandonados. Defendia os pescadores alertando que os atravessadores ganhavam muito mais que eles que iam pescar e arriscar a vida em mar grosso, bravo, no frio, nas madrugadas, sob chuva, sob sol forte e lutava contra a opressão dos fortes sobre a ignorância e submissão do povo humilde da cidade.


Era o grande defensor do meio ambiente, dos direitos humanos e sem receio, enfrentava todas as adversidades em coerência com seu ideal de vida.

Entre as inúmeras obras que ergueu, Lourenço lembra que foi orientar aos descendentes de quilombolas, então envergonhados da origem, a terem orgulho de serem os netos e bisnetos de escravos.

Com esse núcleo de negros da região do rio Mandira, um bairro esquecido no pé da serra, muitos desses habitantes eram catadores de ostras do manguezal. E com paciência e dedicação o padre os organizou e orientou para que instituíssem uma cooperativa, de forma a melhorar a condição de produção e assim, melhorar a qualidade de vida de toda a comunidade.

Nas diversas povoações espalhadas pela Ilha do Cardoso orientou a todos para que cuidassem do meio ambiente de forma a transformar a beleza no patrimônio a ser explorado pelo turismo consciente.

E nessa linha, ao longo dos anos se dedicou ensinando um, orientando outro e sempre com o evangelho na mão, levada a palavra de Jesus  a par de ir mostrando a justiça social e o direito de ser feliz.

Foram inúmeras as obras que plantou, cuidou e fez florescer em favor dos caiçaras de todo o sul paulista.  O povo do litoral deve muito pelo aprendizado e pelo incentivo que deixou.
 
Lourenço o conheceu logo que mudou-se para a cidade em 1982.

Sua aproximação maior se deu quando exerceu a vereança e se expos em favor dos mais humildes, dos pobres, dos que não tinham voz nem prestigio. E a  amizade durou a vida inteira.

 
 
( vista lateral da Igreja Matriz da Paróquia de Cananéia )

Pe. João 30 indicou Lourenço que passou a prestar serviços à Diocese de Registro. Teve oportunidade de defender a Igreja e os caiçaras humildes do Vale do Ribeira por longos anos. Aproximou-se e se tornou amigo de Don Apparecido José Dias o bispo diocesano e participou com o clero de inúmeros empreendimentos em defesa do justo. Aprendeu muito. Aproximou-se de uma realidade desconhecida até então. Entendeu a Teologia da Libertação e o sofrimento dos caiçaras perdidos nas sombras esverdeadas da Mata Atlântica.

 

Mas um dia o Bispo zarpou para Roraima...Lourenço para o Tocantins... e depois, um dia o Bispo, adoentado faleceu.

 

A Diocese de Registro teve sua liderança substituída. O primeiro bispo, nomeado por S.S. o Papa Paulo VI, seguia a doutrina exposta pela teologia da libertação e o sucessor, nomeado pelo Santo João Paulo II não, mudando os rumos da Igreja no Vale do Ribeira.

 

Mas mesmo assim, João 30 não desistiu e continuou levando sua fé e a mensagem de Cristo para os mais humildes. Um dia, no entanto foi abatido pela doença. A fortaleza física e mental foi derrubada e pouco a pouco o colocando numa situação fragilizada.

 

Numa ocasião a Câmara Municipal da Estância Balneária de Cananéia lhe outorgou o título de Cidadão Cananeense. Título meritoso por tudo que realizou durante sua vida, pela cidade, pelo povo e por todo o Vale do Ribeira.

 

Mas a doença foi mas forte e o derrubou.

 

(...)

 

Adoeceu e foi convidado a sair da casa na qual morara desde que chegara em Cananéia. Indignação geral. Seus amigos não entenderam a atitude do Bispo Diocesano que ao invés de o acolher, para que passasse o final de seus dias agasalhado junto àqueles que sempre servira, foi despejado de sua pequena casa.

 

Lourenço foi convidado a participar da Missa Solene que seria celebrada em sua homenagem. Cida, a secretaria da Paróquia pediu que fizesse um discurso sobre o velho padre. Junto com o companheiro Jacy, também já na eternidade, elaboraram um texto para ler durante a celebração. (O texto se encontra publicado no blog.)*

 

No sábado agendado para a santa celebração de despedida solene do vigário holandês, a celebração se iniciou por volta das 18,30 horas. A pequena Igreja de São João Baptista se tornou menor, com fieis e amigos do padre vindos de todos os cantos do Vale do Ribeira, do litoral, do Estado e até de longe, como Lourenço, que acompanhado de Lourença esposa viera de São Francisco do Sul.


A celebração foi presidida pelo Reverendíssimo Bispo Diocesano e durante o ato, foram exibidas filmagens de capelas, de sítios e de fatos registrados que mostravam a atuação do padre. Fieis eram convidados e subiam ao púlpito para exporem notícias de suas convivências com João 30.

 

O Bispo se retirou antes do final da celebração. Por volta das 21 horas saiu sem se despedir. A missa terminou por volta de meia noite passada... Já no domingo. E após, no clube Maratayama, uma festa estava preparada para todos.

Gente humilde vinda da zona rural, pobres caiçaras da periferia e gente importante. Durante a missa estiveram presentes autoridades de grande influencia de todos os poderes da República, que foram prestigiar a festa do padre. Gente pobre e gente rica. Pessoas anônimas e elegantes personalidades. Todos se manifestando publicamente sobre a vida missionária do padre, que sentado no altar, ouvia e acenava com a cabeça aquiescendo com as histórias lembradas.

 

Por sorte João 30, despejado da casa paroquial, não precisou morar debaixo da ponte. Até porque em Cananéia só há ponte sobre rios e não teria abrigo. Foi morar de favor na casa de uma amiga que ergueu uma construção no bairro de pescadores, especialmente para que o padre pudesse passar o resto de sua vida junto com quem mais ajudara: O povo humilde de Cananéia.

 

Mas o tempo passava e a doença aumentava. Gravemente adoentado, por diversas vezes teve que ir se internar ora em Pariquera-Açu, no Hospital Regional, ora em São Paulo.

 

O homem forte, lúcido e consciente das necessidades dos caiçaras, agora babava e só se movimentava sobre cadeiras de roda. Mas não se deixava abater. Firme lutava contra a doença e contra as injustiças tão comuns e aculturadas no país.

 

Até que um dia não teve mais como aguentar e sucumbiu. Foi ao encontro do Criador e, aos que creem, sabem que deve estar bem próximo gozando das benesses da eternidade santificada.

 

Cananéia e o povo cristão do Vale do Ribeira perderam o grande amigo. Lourenço perdeu igualmente um grande amigo que lhe ensinou muito durante a vida.

 

Lourenço revela que conheceu o outro lado da vida do brasileiro em Cananéia e através de João 30 passou a entender melhor a injustiça social que o povo brasileiro é submetido. Conheceu a verdadeira palavra de Jesus e a Teologia da Salvação.

 

Enfim, é mais uma recordação das tantas que tem registrado, porém de dor, saudades, vazio e tristeza.

 

Roberto J. Pugliese
Foi vereador em Cananéia em 1983.
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário