domingo, 17 de agosto de 2014

Tragédias ao longo da história.


Tragédias que perseguem o país.

 

Ao longo da história o Brasil tem vivido algumas tragédias que perseguem seus ícones que lideram politicamente segementos sociais em determinados períodos que chamam bem a atenção.

 

Recordo-me de Rodrigues Alves, presidente da República que foi eleito pela segunda vez e não chegou a tomar posse, por ter sido acometido de doença fatal e falecer antes da posse.

 

Nos mesmos termos, Tancredo Neves eleito presidente não assumiu em razão de fato semelhante. Morreu doente antes, ficando encubado até a data histórica de 21 de Abril.

 

Agora o ex-governador de Pernambuco que em campanha morre em acidente trágico, deixando um vácuo no quadro político nacional contemporâneo.

 

Getúlio Vargas, o perverso ditador, se suicidou. Janio Quadros renunciou. Collor foi impedido de prosseguir no governo. Julio Prestes não chegou a assumir a presidência em razão do golpe de Vargas. Washington Luiz foi deposto pelo mesmo caudilho. Don Pedro II foi  derrubado... Sâo fatos que enriquecem a história do país  com inúmeras circunstancias que sempre mudaram e renovaram os rumos da politica brasileira.

 

Ajunte-se o General Costa Silva, derrubado do cargo de ditador pela doença que o impediu drasticamente. Igualmente o ditador Castelo Branco já fora do poder, morto em acidente inexplicável, assim como Juscelino, Jango  também ex-presidentes e mortos acidentalmente...

 

A lista é longa.

 

E as consequências mais variadas: Pedro Aleixo, por exemplo, foi impedido de assumir a vaga deixada pela trombose do General Costa Silva, sofrendo um golpe dentro do golpe...

 

Que sina a vida política brasileira... Quantas linhas tortas escrevem a história do Brasil!

 

Enfim, vale lembrar que o Marechal Deodoro da Fonseca doente teve problemas sérios até para proclamar a República e Maria, a rainha mãe de Don João VI era louca.

 

Roberto J. Pugliese
Consultor Nacional da Comissão de Direito Notarial e Registrário do Conselho Federal da OAB

Nenhum comentário:

Postar um comentário