domingo, 14 de setembro de 2014

São Paulo e paulistas são focos de acusações inverídicas.


SÃO PAULO SEMPRE INJURIADO PELOS CRÍTICOS DESORIENTADOS.

 

 

Os paulistas são perseguidos por xenófobos. É tradição acusar os paulistas deturpando fatos e ignorando a verdade.

É chavão a expressão no sentido de construir frases que acusam a elite paulista de ser isso ou aquilo. Esquecem os críticos que a elite econômica é perniciosa em todos os cantos do mundo e no Brasil, essa elite castiga mais os oprimidos, fragilizados pela situação que se dá historicamente no Nordeste e Amazônia do que no Sudeste, Centro-Oeste, Sul e principalmente São Paulo.

A elite econômica paulista é a mais tênue, porém perniciosa como qualquer outra classe econômica elitizada, entreguista e servil a interesses espúrios ao das massas e assim por diante.

Agora vem o Secretário de Direitos Humanos asseverar com autoridade que São Paulo não trata imigrantes com dignidade. Diz o Secretário que há preconceito e uma porção de atos que incriminam o paulista, tornando à vista do referido agente público, pessoa que viola direitos mínimos à pessoa humana.

Rogério Sottili acusa que problemas que estrangeiros tem na sua chegada à capital paulista decorrem dessa xenofobia e violência contra a dignidade. Fala ao léu. Fala no vazio. Fala sem preencher a raiz do que insinua. Fala por falar. É chavão e tradição a referida acusação...

Esquece que a cidade de São Paulo recebeu  cinco mil imigrantes  no primeiro semestre e que não param de chegar vindos de todos os cantos do planeta... Gente de todas as classes sociais, porém na maioria, miseráveis oriundos do terceiro mundo, em busca de dias melhores.

Com a boçalidade contumaz de quem acusa os paulistas, os paulistanos e os trabalhadores e capitães de indústrias do Estado de São Paulo, diz o aludido Secretário Municipal que esse povo não é recebido de modo adequado.

-“Essas pessoas sofrem violência pois existe um problema na cidade de São Paulo e no Brasil: ser imigrante não é bem visto aos olhos da sociedade”, critica o político à serviço do Prefeito... A serviço de um Partido Político: PT.

É perceptível que a fala do Secretário é mais para fazer campanha política do que para denunciar algum ato contrário ao bem e ao bom direito estampado no ordenamento jurídico vigente.

Só lembrar que São Paulo, a cidade e o Estado, recebem desde os tempos imperiais, imigrantes do mundo inteiro que não querem sair e recomendam a vinda de seus parentes, amigos e patrícios para a cidade ou para o interior paulista. Se fosse tão perverso, não viriam tantas levas de gente desses cantos onde o ser humano não é tratado minimamente digno.

Imigrantes, trabalhando, fizeram fortunas em São Paulo. Ajudaram a desenvolver o país. Imigrantes se deram bem. Um deles se tornou Presidente da República e disse publicamente que deve tudo à cidade, ao Estado e ao povo paulista...
 

Lula, no início de seu primeiro mandato como Presidente da República assim falou num discurso em Alagoas, sendo reconhecido ao povo que acolheu sua família.

É preciso deixar patente que a elite paulista é hoje, como já fora ontem, o sustentáculo do país, pois os cientistas e a intelectualidade elitizada de São Paulo se destaca da boçalidade que hoje impera no restante do país que, nivelado por baixo, vai de mau à pior.

A  elite é que gera riquezas e ordena com sabedoria os caminhos do país. Enfim, a elite paulista é que tem trazido à serviço do país, meios para que o Brasil encontre seu espaço na comunidade internacional, no patamar que seu povo merece.

Não vou me alongar, mas deixo patente que o imigrante, nunca é olhado com bons olhos. Eu sou imigrante em Santa Catarina e posso dizer que não sou recebido como um igual, sendo sempre olhado com desconfiança e temor de tirar o lugar de alguém. Posso afirmar que apenas conquisto meu espaço, com a minha competência e muita dificuldade.

 
Aliás, NON DUCOR, DUCO.

Roberto J. Pugliese
Autor de Direito das Coisas, Leud, 2005.



Nenhum comentário:

Postar um comentário