sexta-feira, 10 de abril de 2015

Lourenço defende advogados injustamente acusados. ( memória nº 114 )


Memória nº 114
OAB processa vereador.

 

Um vereador idiota e despreparado subiu à tribuna e com o fôlego em experimento bradou que advogados estavam envolvidos com o tráfico de entorpecentes na cidade e que as autoridades se calavam diante do fato. 

O discurso teve muita repercussão na cidade e se expandio por todo território do novel Estado do Tocantins. Só se falava a respeito. 

Lourenço então presidente da OAB da subsecção de Gurupi, entendeu que não poderia deixar correr solto a acusação, pois de um lado, todos os advogados estavam envolvidos e eram suspeitos segundo a fala do edil e de outro um vereador, fora do âmbito da advocacia teria acusado a classe da prática do crime motivo suficiente para se apurar. Ademais, se existia o advogado ou advogados envolvidos deveriam ser punidos.
 
 (vista parcial de Palmas, capital do Tocantins )
 
Sem pensar duas vezes Lourenço chamou dois colegas bem próximos e de sua confiança e confidenciou que pretendia incluí-los numa comissão para apurar a responsabilidade dos colegas e também processar o vereador pela acusação irresponsável. Disse que gostaria de incluir como presidente da comissão o colega que tinha fama de estar envolvido nessa prática. 

Os dois aceitaram e ele convidou o suspeito e baixou a portaria nomeando a comissão. 

(...) 

Certo domingo, passado algum tempo, estava com a família e amigos no Clube dos 100, quando encontrou o colega presidente da comissão e bebericaram no bar jogando conversa fora. 

A certa altura da conversa o colega disse a Lourenço: 

- Não votei em você nas eleições. Apoiei a situação. Mas o desempenho de sua administração me fez repensar. Doravante, onde eu puder votar que você for candidato terá meu voto.

Insta salientar que o colega tinha a fama de estar envolvido com o tráfico, porém a posição de Lourenço foi de  prestigiar um integrante dos quadros da OAB, pois até prova em contrário, para todos, o advogado era inocente e não poderia ser julgado subliminarmente pela sociedade.

O  vereador, de outra parte, foi processado criminalmente pela Ordem.

 

Roberto J. Pugliese
Foi presidente por dois mandatos da OAB-TO-Gurupi

                                        ( vista parcial de Gurupi, To )

Nenhum comentário:

Postar um comentário