quarta-feira, 11 de julho de 2018

Contrato no sítio


(Memória nº 125.)
Contrato no sítio da Estrada do Ariri.

 
 
Há tempos bem distantes Lourenço recorda-se que certa vez foi a um sítio, no pé da serra, próximo à Itapitangui, bairro continental de Cananéia e com sua máquina de escrever elaborou  contrato de cessão de posse.  Uma Olivetti que pertencera a seu pai e que o acompanha até hoje, ainda que tenha mais de 50 anos de uso.
 
Um casal de caiçaras vendia para um comerciante de Cananéia o sítio, situado num aprazível recanto, bastante convidativo. Um japonês que posteriormente empreendeu um hotel no centro da cidade era o adquirente.
 
Passado alguns anos, um vigarista entrou com ação de reintegração de posse contra o comerciante, alegando ser o proprietário do imóvel, juntando como prova uma escritura lavrada em Araçatuba, com os cedentes representados por procuração lavrada em Poços de Caldas e residentes em Campinas... Uma trama muito mal organizada que, após alguns anos de conflito, terminou com Lourenço obtendo sentença favorável, confirmada pelo Tribunal de Justiça, ao velho cliente e amigo.
 
Recentemente os herdeiros do comerciante, já falecido, venderam o imóvel para um casal de estrangeiros que ergueram uma pousada e restaurante. O local, como já dito é bonito e acolhedor, com paisagem bastante convidativa, mormente para quem procura contato próximo à natureza.
 
 

 
Enfim, são inúmeras as recordações de Lourenço advindas de suas andanças pelo litoral paulista, em especial na região do Vale do Ribeira e Lagamar, onde ainda hoje frequenta e milita profissionalmente.

 

Roberto J. Pugliese
www.puglieseadvogados.com.br
Cidadão Cananeense
Vereador à Câmara de Cananéia, 1983.
Procurador Jurídico da Câmara de Vereadores de Itanhaém. 1985
Procurador Jurídico da Câmara de Vereadores de Guruipi.1991

Nenhum comentário:

Postar um comentário