sexta-feira, 5 de outubro de 2018

Expresso Vida - Programa nº05

A Rádio Transmar de Cananéia, transmitiu em FM e pela rede mundial de computadores o 5º programa Expresso Vida. Segue o texto do programa.
 
 


" Programa nº05- 

DISTINTOS OUVINTES, saúde, justiça e paz, eu sou Roberto José Pugliese, cidadão honorário de Cananéia, e o programa de hoje é dedicado a lembrança de Bernardo Baptista Paiva, ex prefeito municipal de Cananéia, e irá comentar a situação dos indígenas  espalhados pelo município.

São três as pseudas aldeias guaranis instaladas na cidade. Duas na ilha sede do município e uma na Ilha do Cardoso.  Nos últimos 20 anos a migração indígena transformou o município habitado tradicionalmente por caiçaras, em sede de três aldeamentos indígenas que sem qualquer assistência digna, provoca a péssima qualidade de vida desses grupos sociais.

Se é verdade e ninguém pode negar, que o europeu invadiu o território americano e instalou-se no solo indígena, também não se permite omitir que, a organização social e política desde ao tempo da Colonização européia na América impôs a soberania de novos Estados Independentes, inclusive o Brasil e, sob essa ordem jurídica é que vivemos e somos reconhecidos internacionalmente.

Assim, independente de qualquer outra interpretação, no município de Cananéia os indígenas se instalaram agora, há menos de 20 anos e  por estarem em área urbana e dentro do Parque Estadual, justo é que se curvem às regras impostas pelo Estado e pelo Municipio.

Nâo pretendo, longe disso, afirmar que os indígenas devam ser expulso de onde estão, ou discriminados ou qualquer outra violência moral ou física, mas afirmo a quem escutar, que no Parque Estadual da Ilha do Cardoso, cuja proposta é evitar a instalação de pessoas alienígenas, mantendo apenas o morador tradicional, os indígenas não podem permanecer, sob pena de desfigurar a própria razão do PEIC.

Do mesmo modo, as aldeias existentes na ilha, nos confins do Jardim Terezinha, onde até então era um loteamento regular, legalizado na forma das regras civis e de registros públicos, com dezenas de investidores que há mais de 30 anos adquiriram lotes, também não devem permanecer.

Os indígenas, todos Guaranis, ou seja da mesma nação, devem ser postos em área rural, demarcada e com insumos básicos, com destaque para escola e posto de saúde. De preferência na área continental, nas imediações da Folha Larga ou mesmo da Estrada da Aroeira. Mas não no centro urbanizado.

Na cidade, aí sim, uma construção digna para atender esses grupos e poder até abriga-los, deve ser erguida e mantida pela Funai ou pela Prefeitura, para nela serem expostos seus artesanatos, e lá ficarem enquanto estejam por Cananéia, evitando o que vemos, com indígenas mendigando a venda dessas miçangas, espalhados com crianças pelas esquinas sob sol e chuva de forma deplorável.

Os vereadores e o Prefeito de Cananéia não podem se omitir.

Pensem, reflitam e ajam. Ajam o quanto antes. "

O Expresso Vida agradece a audiência e convida a todos a sintonizarem as ondas moduladas da Rádio Transmar para ouvir na próxima quarta feira mais um programa.
 
Roberto J. Pugliese
editor
Cidadão Honorário de Cananéia

Nenhum comentário:

Postar um comentário