sábado, 27 de abril de 2013

BR116 - Duplicação da rodovia na Serra do Cafezal.

A rodovia que liga São Paulo a Curitiba, outrora designada por BR2 pelo  plano rodoviário nacional, denominada Rodovia Régis Bitancourt, em homenagem ao funcionário público federal já falecido, foi inaugurada em 1960 pelo presidente Juscelino Kubitschek de Oliveira.

Àquela época se divulgava que a inauguração da moderna rodovia seria a redenção da região até então isolada. Os antigos contam como era difícel chegar em Iguape, Cananéia, Eldorado e outras localidades...

Registro repentinamente se transformou na Capital do Vale graças a situação estratégica de ter a rodovia e situar-se a meio caminho entre as duas metrópoles.

O tempo passou.

O Vale do Ribeira deixou o isolamento e o movimento da rodovia foi aumentando, aumentando, aumentando ... a ponto de transformar a estrada num cemitério, com acidentes e tragédias frequentes.

Rodovia da morte é o título que recebeu em razão dos trágicos e frequentes acidentes.

Veio a duplicação, mas restou a Serra do Cafezal, com pista simples, entre os municipios de Miracatu, no Vale do Ribeira e Juquitiba, na região metropolitana da Capital.

Agora, privatizada, com autorização dos órgãos ambientais, a duplicação do perigoso trecho de serra será construída. Afirma a concessionária e as autoridades públicas competentes.

Tomara Deus que essa duplicação deixe de ser obra para o futuro e se concretize o quanto antes.

Roberto J. Pugliese
membro da Academia Eldoradense de Letras
membro da Academia Itanhaense de Letras
www.pugliesegomes.com.br

( fonte: blog O Vale do Ribeira )

Nenhum comentário:

Postar um comentário