sexta-feira, 8 de março de 2013

Papa, crise e modernidade !


O Papa que a humanidade precisa.

Sem qualquer petulância arrogante descabida o Expresso Vida manifesta-se numa tentativa de acompanhar o pensamento extraído daqueles que doutrinam e professam a Teologia da Libertação, seguindo ainda que bem aquém da suas sabedorias  teológicas, mas na condição de manifestar a opinião da expressão do povo de Cristo, para revelar como encara a situação atual da Santa Igreja Católica Apostólica Romana.

Insta lembrar que o Expresso Vida sabe da importância da liderança de S.S.o Papa para o mundo e para o Brasil, a  maior população Católica do mundo, que dia a dia vem perdendo adeptos para outras religiões e seitas até inexpressivas.

O papa, S.S. o Papa Bento XVI renunciou.

O grande monarca absoluto de um Estado Teocrático encravado no interior da cidade eterna, com poderes políticos e transcendentais que ultrapassam fronteiras e oceanos, não renunciou pelas dores da coluna ou de barriga que aventa. Isso é certeza. Mais provável pelas dores de cabeça que tem enfrentado.

Também pelo medo de morrer. Já prelecionava Maria Domitila, a linda Marquesa  de Santos, célebre adágio bem conhecido no sentido de quem tem cú tem medo e S.S. o Papa, mesmo sendo infalível e respeitado, como a Rainha da Inglaterra, também tem  intestinos...

A renúncia, formalmente hábil, dentro das regras do Código de Direito Canônico se perpetrou.

O mundo, de um modo geral, fica apreensivo. Um líder mundial. Um dos mais poderosos homens da atualidade. Um chefe de Estado que, mantém espalhado por toda a terra, desde as estepes geladas e despovoadas da Rússia siberiana, até os sufocantes remotos vilarejos do Chifre da África; desde de comunidades paupérrimas urbanas, entre outras as favelas do Rio de Janeiro, os mocambos de Níger ou de Tegucigalpa e os nobres conglomerados megalópicos de  Ottawa, Berlim, Tóquio ou Paris, pontos expressivos de seu Soberano e Divino Poder, com marca reconhecida desde as primeiras letras dos evangelizados, com a sua renuncia provoca pânico: Vende-se menos hamburges na 5ª Avenida, menos  cervejas na Saxônia e bacalhaus defumados na Finlandia. No Brasil, as Casas Bahia já preparam comerciais especiais para divulgar descontos no dia que o trono de Pedro vier a ser novamente ocupado e na Letônia, não se tem  notícias do que pode acontecer. Talvez nada.

O Papa, S. Santidade o Papa, todos os papas dispõe de organização de publicidade invejável. Superior à OTAN, à doutrina Marxista ou mesmo das Ostras de Florianópolis: Na praça principal de cada vilarejo, cidade ou metrópole, um prédio, destinado a delegados de Sua infinita e infalível autoridade é filial da sede, com vistoso símbolo de sua corporação: a cruz  de Cristo sempre no alto de uma torre que muitas vezes trata-se do ponto mais elevado da comunidade. E como se não bastasse, o Vaticano, dessa filial, mantém sub sedes, que são erguidas em todos os bairros, cantões e lugarejos ermos administrados por presbíteros e puxa sacos que pensam que distribuindo santinhos ganharão o Reino do Céu.

Sem falar que dentro de normas oficiais, nos parâmetros assustadores que faz tremer qualquer cidadão, todos os agentes desse Estado teocrático  espalhados pela face da terra, dispõe de poderes sobrenaturais para julgar, condenar e absolver quem quer que seja: Até Ministro do STF. Poderes sobrenaturais que permitem ouvir segredos sem importância como o que se refere à cola do aluno na prova de matemática, ou que põe em cheque a respeitabilidade da donzela que no último baile da faculdade bebeu e dançou mais do que devia.

Segredos que lhes conferem poderes poderosos...Poderes poderosíssimos  conhecidos e que fez curvar-se denga, melosa e arrependida, dona Carlota Joaquina a fogosa esposa de Don João VI.

A Santa Sé mantém no mundo ocidental, há pelo menos 1.500 anos um prédio de sua embaixada, consulado, representação comercial ou ponto de convergência nos principais logradouros de todas vilas ou metrópoles, que catalisa toda a população com um simples badalo e chama recursos financeiros pondo à venda, pelo melhor preço, em leilão extra oficial, frangos, bolos e miçangas doadas por fiéis em festividades ordenadas num calendário beatificado incessantemente pelo mundo a fora.

É pitoresco, por Pindorama de norte a sul, nas vilas perdidas  e periferias das maiores cidades, as quermesses, bingos e outras festividades santificadas, nas quais busca-se subscrição de capital para fomento da casa paroquial e demais investimentos.

Essa marca supera a Coca Cola,  a Volkswagen, a Petrobras  e o Mac Donald’s. Supera e é conhecida no mundo inteiro sem concorrência oficial. Não é patenteada, não disputa espaços na OMC, mas tem voto e voz e é reconhecida na Assembléia Geral da ONU. Em nome de um Deus desenhado pelos doutos da Basílica de São Pedro, manda e desmanda além das fronteiras do próprio Estado, que é  reconhecidamente soberano nos limites estreitos de apenas um quarteirão.

A bandeira amarela do Vaticano diariamente é hasteada nos jardins do imponente edifício Rockfeller as margens do Est River,  que treme de medo e finge respeito ao Estado quarteirão e ignora desde 1959 a bandeira igualmente  amarela do também teocrático Estado tibetano, ocupado pela China, no qual 6 milhões de pacíficos crentes vivem subjugados pelo capital sanguinário vermelho. Realmente é um quarteirão de muito poder !

A Igreja de Cristo tem para a humanidade liderança, com capital espetacular e poder de comunicação inédita, com bilhões de seguidores, que torna a Wall Street e o Pentágono apreensivos. Mais importante controlar o rico Vaticano que o paupérrimo Paraguai. Muito dinheiro e muito poder em jogo.

A mensagem de Cristo traduzida e interpretada pelos sábios teólogos da Praça de São Pedro pode conduzir bilhões de pessoas à paz, à solidariedade, ao socialismo  e exigir seja levantado o nojento bloqueio à ilha de Cuba ou servir para que Washington tenha motivos para implantar novas ditaduras cruéis ao longo do continente que um dia foi despudoradamente exclusivamente seu.

Não foi a toa que S.S. o Papa renunciou. Problemas de saúde podem ser desculpas para boi dormir ou enganar carolas criados ao longo dos dois últimos papados, isto é, o dele e de S.S. o Papa João Paulo II.  São 34 anos aproximadamente que a Igreja de Cristo virou à direita e serve à CIA com subserviência digna do exército da salvação.  Não lhe faltam seguidores fieis. Crentes abobalhados à serviço do deus money.

A versão verídica, escondida às sete chaves pelos escaninhos dos castelos, igrejas, capelas e palácios de Roma, poderá ser deduzida, porém, nos segredos tumulares das galerias de mármores silenciosas, difícil apurar-se a verdade. São corredores onde almas de santos e demônios se cruzam e jogam gamões ou comem criancinhas ao som de líricas melodias medievais que impedem a pureza da clareza da moderna locução da net sem fronteiras.

A Igreja vive grande crise. Todos sabem. Todos escondem.

A derrocada da Santa Sé chegou ao seu apogeu.

Desde que Henry Kissinger, o macabro articulador da política imperialista  alertou que era preciso fazer algo sério e radical para conter a expansão da Igreja da Libertação, com Comunidades Eclesiásticas de Base espalhadas pela América Latina e a palavra do Cristo libertador penetrando pela África negra e sudoeste asiático, impondo freios à política expansionista do tio San, a Igreja mudou de rumos e está indo para o beleleu.   

O Rasputin do Texas fez com que a Santa Igreja Católica fosse cambaleando e andando torto e na velocidade dos bólidos macabros está  descendo ladeira à baixo...prestes a cair de vez.

E num lance típico de enfrentamento, o grande império do norte, criou milhares de seitas e organizações religiosas água com açúcar, onde mais vale beijar a mão peluda do pastor e do diácono ao invés de se ouvir, meditar e aprender a razão da humanidade e a missão de Cristo. Milhões de missionários, com papeluchos, evangelhos, bíblias e crucifixos invadiram o hemisfério sul difundindo a versão light do consumismo, da Aliança para o Progresso e as bases do neoliberalismo.

Opus Dei do Monsenhor José Maria Escrivá tomou corpo e domina o pensamento político da Igreja latina. A TFP voltou com toda corda e colocou nas ruas das grandes cidades seu exército de jovens alucinados pregando o retorno ao mundo medieval idealizado por Plínio Correa de Oliveira, inimigo público nº 01 da Reforma Agrária.

A Igreja festiva do Padre Marcelo e outros shows-mens que cantam, dançam e não traduzem a verdadeira mensagem da  bíblia fez com que por toda a terra, milhões de fieis fugissem do Vaticano e fossem se abrigar em ninhos evangélicos outros. Debandada geral.

E nesse diálogo de surdos, Don Paulo Evaristo Arns, o corajoso defensor de Direitos Humanos, que enfrentou as botas sujas dos milicos durante anos, teve o território de sua Diocese partilhado para lhe castrar poderes. Assim também se deu com Don Benedito Ulhoa;  Don Luciano Mendes de Almeida, Don Pedro Casaldaliga e tantos outros que eram as vozes dos clamores dos mais humildes e esquecidos, que  igualmente foram castrados e punidos, até com o direito de falar...Impedidos de falar, pregar, traduzir o evangelho aos fiéis, no Brasil e por todo terceiro mundo.

E entre tantos culpados, além das Organizações Globo, S.S.Bento XVI que assessorou o papado anterior e valeu de seus poderes incontroláveis para acentuar o abismo entre os bilhões de pobres e o capital, valendo-se do anel e da meia vermelha de seu cardinalato, perdeu o pé. Não tem mais saída e  a melhor delas, foi sair.

- Salve-se quem puder ! Em latim, alemão ou italiano, o último que sair, apaga a luz.

Durante anos ajudou a afundar a Santa Igreja Católica e agora

não sabe como agir. Melhor fugir. Pena que não possa seguir os passos de Ricardo Teixeira instalando-se em  Miami para desfrutar dos dividendos adquiridos pelos longos anos de poder.

Enfim, melhor se esconder na aprazível estância de Castel Gandolfo e viver em paz aguardando o dia do descanso eterno, paparicado por freirinhas sem maquiagens e capuchinhos de sandálias de couro cru.

Com a renúncia para a Igreja surge o grande dilema na escolha do próximo pastor. Surge a encruzilhada: Seguir pelo mesmo caminho de evangelização acadêmica, pregando através de palavras falsas e impondo o medo do inferno ou mudar radicalmente. Voltar aos destinos escritos sob o pastoreio de S.S. João XXIII. Inclusive os destinos da Terra, o planeta que está sendo diariamente dilapidado pelo capital incontrolável, talvez também esteja nas mãos do novo pontífice.

Defender o planeta provavelmente seja a grande missão do novo Papa, como assinala com bastante propriedade o teólogo Boff, uma das incontáveis vitima do ex-Papa, carrasco que assessorou por longa data, o Venerável que se foi.

O Expresso Vida deixa patente sua posição. Talvez contrária aos interesses da mídia, dos shoppings centers e dos bancos, mas um tanto próxima aos adeptos e crentes no verdadeiro Jesus libertador. O Jesus que mesmo esquecido permanece vivo no coração de milhões de seus seguidores espalhados pelas esquinas subjugadas do terceiro mundo.

Vamos aguardar o desfecho. A fumaça branca, espectro medieval de informação, poderá ser a última vez que suba a grande chaminé, dando lugar, quem sabe, às urnas eletrônicas e divulgações pelas redes sociais. Tudo dependerá da visão dos  Eminentes Cardeais que vierem a escolher o  sucessor de Pedro.

Um Papa que faça a opção pelos holofotes das intermináveis tentações do Banco Católico do Veneto, ex- Ambrosiano e mantenha o silencio daquilo que sabe e ignora, mantendo obscuro e na ignorância todo o povo cristão, impondo regras obsoletas a partir do medo e do castigo ou que  venha a fazer a opção pelos pobres e acompanhar a trilha deixada pelo Salvador.

Um papa que percorra os guetos e socorra indigentes, pobres, mendigos, indígenas, ciganos, corinthianos e pecadores das nações que exportam mão de obra escravas...Um líder que escute as garotas de programa e mande desligar a TV que imbecializa a juventude perdida e sem rumo. Um líder que de chicote nas mãos siga o exemplo do Deus que se fez homem e expulse do templo os agiotas do BID e das empresas com sede em caixas postais fictícias. Um líder que mude o mundo. Um líder que discuta em alto nível o celibato absurdo e o tráfico de influencia que navega solto entre mares, oceanos e continentes.

Vamos torcer. Somos um único rebanho e precisamos de um pastor que saiba nos conduzir, independente de nossas crenças. Independente da nossa fé.

A terra precisa de um novo Papa. Um verdadeiro senhor que saiba usar os poderes que os Canones lhes outorga e seja nas coisas da moral e da fé, realmente infalível. Um Papa moderno que traga a sua Igreja, a nossa Igreja a Igreja de Jesus Cristo aos tempos de hoje. Que discuta temas que permanecem imutáveis desde que as Cruzadas conquistaram os ímpios da Asia Menor. Um Papa que se volte para a humanidade. Que libere a Camisa de Venus, use telefone celular, saiba falar na língua do P, se comunicar em Libras, use calças, cuecas e gumex, reconheça os valores das mulheres, permita o uso dos costumes do século XXI e não julgue a humanidade como vassalos. Um Papa que beatifique os beatos, santifique os santos e condene os inimigos de Deus e do povo .

Enfim, um Santo Padre que conduza a espécie humana e todas as vidas desse planeta azul para a paz e a dignidade é o que o Expresso Vida espera que seja eleito no Conclave que esta para se iniciar.

Enfim, O Expresso Vida espera que as cinzas que se transformarem em fumaça branca e da Capela Sistina seguir para os céus, traga o nome de um personagem verdadeiramente infalível e possa ser respeitado como Santidade por todos e todos os tempos e lugares.

Rezemos !
Roberto J. Pugliese
www.pugliesegomes.com.br
Autor de Direito das Coisas, Leud
Membro da Academia Itanhaense de Letras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário