domingo, 9 de fevereiro de 2014

OAB-TO - inauguração da sede.( Memória nº63 )


 


Memória nº63
OAB – navegar no Tocantins.
 
A Ordem dos Advogados do Brasil, secção Tocantins foi fundada logo após a criação do Estado, com sede provisória na cidade Miracema do Norte, cujo nome, por ordem da Assembléia Legislativa teve alterado, passando a chamar-se Miracema do Tocantins, também capital provisória.
 
Uma casinha de adobe, com uma pequena mesa velha, um arquivo de aço e uma secretária era a sede do Conselho Seccional, situado nos fundos da residência de Augusto Pinheiro, o primeiro presidente da OAB.To.
 
Com a transformação de Taquaralto em Capital do Estado, a sede da OAB transferiu-se também para lá, instalando-se provisoriamente em algum prédio improvisado até que o Conselho Federal construiu a luxosa sede.
 
Enquanto isso, em Miracema a sede do Conselho Seccional foi transformado em Subsecção e o Conselho Federal construiu um prédio adequado às instalações condignas à instituição. Na sua inauguração o valente batonier Marcelo Lavenere Machado esteve presente. Lourenço, com a família também se dirigiu à solenidade, já que na condição de presidente da maior subsecção do Estado entendia necessário sua presença.
 
Recorda-se que durante a cerimônia que ocorreu à noite no clube Iracema, entre tantos e tantos discursos, o bispo diocesano, Don Jaime Colins, irlandês, e sotaque carregado contou uma história envolvendo Greenghald, advogado, que Don Apparecido, Bispo Diocesano de Registro também contara.
 
Falou da importância da Justiça e do papel dos advogados e relatou:
 
 
“.....
 
Ditadura militar. Luis Eduardo Greenghald  então estagiário de grande escritório de advocacia que defendia presos políticos. Haveria julgamento de recurso por um Tribunal em Brasília. O estagiário se atrasa e ingressa no elevador privativo dos ministros daquela Corte Superior. Comprimentam-se com respeito. Eles, os ministros imaginam tratar-se de um funcionário. Ele quieto, imagina ser o único elevador existente.
 
Durante o trajeto presta atenção na conversa:
 
- Vamos condenar. Você vota assim, você assado etc...
 
...”
 
(...)
 
No dia seguinte, o presidente da OAB-TO programou um passeio de barco pelo rio Tocantins. Subir alguns quilomentros e retornar, para que em seguida o presidente nacional e sua mulher tomassem o avião retornando à Brasília.
 
Bonito passeio, que começou com horas de atraso, e mais lento do que previsto. Também em relação à embarcação, tratava-se de uma de transporte de carga, sem qualquer charme e bem distinta das que Lavennere deveria estar acostumado, considerando-se que era de Maceió.
 
O tempo fluía com mais rapidez que o passeio e como não daria para retornar a tempo de tomar o avião, foi decidido que desceriam numa fazenda e lá arrumariam uma condução para que fosse levado diretamente ao aeroporto.
Um caminhão. As mulheres na boleia junto com o motorista e os 3 presidentes na carroceria.... Foi a solução.
 
Ao chegarem esbaforidos na cidade, Lourenço ficou no hotel e os demais seguiram ao aeroporto.
 
Anos depois, Lourenço e o então, já ex presidente Lavennere, voltaram-se a encontrarem-se numa solenidade em Joinville, onde Lourenço se fizera presente representando a Faculdade de Direito local.
 
Roberto J. Pugliese
presidente da Comissão de Direito Notarial e Registros Públicos –OAB-Sc
Membro da Academia Eldoradense de Letras
Membro da Academia Itanhaense de Letras
Titular da Cadeira nº 35 – Academia São José de Letras
Autor de Terrenos de Marinha e seus Acrescidos, Letras Jurídicas
Autor de Direitos das Coisas, Leud



Nenhum comentário:

Postar um comentário