sábado, 9 de fevereiro de 2013

A história se repete: Santa Maria, S. Francisco do Sul, Bateaux Mouche...

Santa Maria x São Francisco do Sul.

Quanta tristeza abate o povo gaucho. Irresponsabilidade insana de empresários gananciosos em parceria com a omissão dos Poderes Públicos provocou a maior tragédia da história dos pampas.

Santa Maria ficou conhecida mundialmente, tal qual, São Francisco do Sul, a cidade ilha, que na manhã ensolarada de 7 de janeiro de 1996, por razões semelhantes àquelas acima ditas, foi palco de grandioso acidente, no qual mais de trezentas pessoas foram vítimas de empresários gananciosos e de autoridades públicas omissas.

A história se repetiu. Nesse drama das vítmas, a regra é a mesma. Salve-se quem puder. Já se passaram anos e alguns processos ainda correm pelas gavetas e escaninhos do fórum francisquense, manipulados por servidores desidiosos que desconhecem a grandeza da função que exercem. Passados tantos anos, a Prefeitura condenada em inúmeras ações, há mais de quatro anos não paga os precatórios devidos às vítimas do evento amaldiçoado.

A história se repete: O circo de Niterói, o bateaux Mouche, o edifício da Praça Tiradentes que desabou, o incêndio do edifício Joelma e das Lojas Pirani, a Gameleira, o elevado Paulo de Frontin e assim vai... Sem que as principais autoridades responsáveis, prefeitos, secretários de obra, bombeiros, fiscais sejam responsabilizados pessoalmente pelas omissões e falcatruas que causaram danos de repercursão vergonhosa. Ninguém paga. Ninguem vai para cadeia.

E o Sérgio Naya, que construía edifícios com areia da praia? Como ficaram as vítimas? Infelizmente, nessa Pindorama do Barão de Itararé, salve-se quem puder.

Ajunte-se à toda bananosa que o Poder Público oferece para as sociedade os valores das indenizações nem sempre reparam o dano e as compensações pelos ilícitos morais, decretadas pelo Judiciário, além de ínfimas, transformam-se em escárnios para aqueles que, machucados, aguardam décadas para serem justiçados.

Roberto J. Pugliese
Autor de Direito das Coisas, Leud
Sócio de Pugliese e Gomes Advocacia
Membro da Academia Itanhaense de Letras.


 

Nenhum comentário:

Postar um comentário