quinta-feira, 1 de maio de 2014

São José de Anchieta, o Apóstolo do Brasil !

 
O Santo José de Anchieta o Apóstolo do Brasil viveu a maior parte de sua curta vida em Conceição de Itanhaém.
 

Pontos históricos e turísticos são a ele dedicados. A Secretaria de Turismo do município acredita que, após a canonização, Itanhaém pode se tornar um grande atrativo de turismo religioso.

 

A Cama de Anchieta é um dos pontos mais visitados da cidade. Trata-se de uma formação rochosa em formato de cama, encravada entre o costão e a praia do Sonho. Segundo a lenda, José de Anchieta costumava descansar e compor versos e poemas nas proximidades.

 

O nome de Anchieta está também atrelado a diversos outros monumentos, como a passarela de 240 metros que dá acesso à Cama. O Pocinho de Anchieta, no início da praia de Peruíbe, no bairro de Cibratel, construído pelos indígenas, com instruções do padre, para melhorar a captura de peixes também é outro ponto que foi gravado com o nome do mais novo santo da Igreja Católica Apostólica Romana.

 

Entre as praias do Sonho e a dos Pescadores, o visitante encontra o Púlpito que leva o seu nome, utilizado na época para a catequização dos índios. Lá, nas proximidades existe há boa data a estatua das Mulheres de Areia, cuja primeira gravação da novela tão famosa se deu naquela praia.

 

Na praia da Gruta, ficam os Painéis de Anchieta. Já no centro da cidade, a estátua de bronze, esculpida por Luiz Morrone, é outro atrativo; assim como o paço municipal e a Virgem de Anchieta, imagem barroca do século XVI, exposta na Igreja Matriz de Sant’Anna. No tradicional Museu de Nossa Senhora da Conceição, é possível encontrar a certidão de batismo do jesuíta.

 

O município recebe cerca de três milhões de turistas por ano, e possui outras festas no calendário religioso, como a Festa do Divino Espírito Santo, comemorada no domingo de Pentecostes, e a Festa da Padroeira da cidade, comemorada em 8 de dezembro.

 

Merece registro que 9 de junho na cidade que Anchieta adotou é feriado. É a única cidade brasileira que tem um feriado religioso em homenagem ao Santo José de Anchieta, desde 2009.

 

Itanhaém é a cidade referencia do Apóstolo do Brasil.

 

Mas o Padre Anchieta não viveu apenas em Itanhaem, no litoral sul paulista. Andou pela Colonia em obediência as instruções de seus superiores e assim esteve em diversos locais, sempre pacificando indígenas ou levando a boa nova para os ateus.

 

No litoral do Espírito Santo sua estada foi por pouco tempo, mas lhe rendeu ser homenageado com o nome de um pequeno município: Anchieta.

 

Em Ubatuba, no litoral norte de São Paulo, foi aprisionado pelos Tamoios e durante o tempo que esteve em cativeiro lavrou nas areias da praia de Iperoig  o Poema à Virgem, que o obrigava a  decorar as estrofes antes que a maré o apagasse, pois não dispunha de papel e lápis para registra-lo. O fez apenas quando foi solto e voltou à civilização.

 

Com outros Jesuitas seguiu para cima da Serra de Paranapiacaba e no Planalto de Piratininga ajudou a erguer um pequeno colégio, inaugurado em 25 de janeiro de 1554 dando origem a um humilde e pequeno povoado, que deu condições à vila, que se transformou em cidade, em Comarca, em Capital e hoje é a metrópole vibrante que leva o nome do santo da data de sua fundação: São Paulo de Piratininga.

 

Enfim, o Santo José de Anchieta é agente importante na história do país. E sem dúvida foi personagem de relevância durante o período colonial da história de São Paulo e do Brasil.

 

Viva o Santo José de Anchieta.


 
 Roberto J. Pugliese
Membro da Academia Itanhaense de Letras.
 
 
 
( Fonte Beach & Co - Fotos Aline Porfírio) 

Nenhum comentário:

Postar um comentário