segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Palavras vazias.


O conteúdo das palavras.

 

Algumas pessoas falam muito. Falam bastante. Falam sem parar. Todos os temas e todos os assuntos a versatilidade do conhecimento os propicia a falar. Consideram-se especiais. Melhores, superiores, importantes. Sabem tudo.

 

Falar, falar, falar sem parar. Falar pelos cotovelos, joelhos e orelhas. Falar sentado, em pé, pilotando barco, avião ou automóvel. Falam até sentados na roda-gigante.

 

São tagarelas de plantão.

 

Encontramos esses linguarudos em todos os cantos e, sem qualquer pudor, sofremos o despejo incansável de intermináveis locuções, na maioria das vezes inoportunas, desconexas e sem conteúdo. São histórias que não nos interessam e também a qualquer outro ouvinte. São detalhes e minúcias enfadonhas despidas de raiz que encaminha ao tédio. São falas sem fim.

 

Falam tanto que no meio da fala mudam de assunto e desenvolvem outras mensagens que faz do dialogo proposto uma confusão de explanações  cujo início se perde e o fim nunca chega. Cansativo ouvir o falante.


 





 

 

Falam sem cessar. Sem cansar. Nem bebem água. Não abrem  pausa para o dialogo. Falam e não escutam. Mandam. Opinam, questionam e respondem.  Não conhecem vírgulas, ponto-e-vírgulas, exclamações ou reticências. Interrogações  não tem respostas por falta de tempo hábil e travessão...  Não existe travessão, aspas, parêntesis ou colchetes. Não concedem à parte.

 

Tédio do lero-lero daqueles que falam próximos; dos que falam de longe e de todos que falam sem parar. Tem aqueles que entram em êxtase quando vislumbram um microfone e os que também discursam por telefone.  Tem os que falam e gesticulam alto. Tem os que falam mais alto e aqueles que gritam.

 

Tem também os que falam de pressa e os que balbuciam de modo inteligível, baixinho e sem parar, num ritmo inadequado para prender a atenção. Falam morno provocando sono que vira o prenúncio do pesadelo da antevisão de  monólogo que se perde no espaço. Esses falam chochos e mórbidos. Resmungam sem parar e sem emitir som. Falam para dentro. Difícil ouvir sem ter interesse no assunto.

 

Uns falam com quem conhecem e falam com desconhecidos. Para esses, o  importante é falar sem se dar conta de quem ouve. Falar com a boca molhada, insalivada agredindo com cuspes e babas meladas ensopando aos que, enojados se afastam e são perseguidos. Pegam no braço, puxam e exigem que estejam próximos à boca molhada e gosmenta de tanta fala. E quando o falante sofre do estomago o mau hálito torna o ambiente pior. E o azedo do pinguço então torna inebriante e zonzo o discurso ébrio interminável...

 

Outros se esquecem e falam tomando café, comendo macarrão ou degustando sopa de cenouras. Por óbvio, esses falantes sem o mínimo de respeito e desconhecendo boas maneiras, sempre se engasgam, tossem, sujam a mesa, a toalha e os demais convivas que, suportam a fala e a bagunça.

 

São falantes que se impõe através das cordas vocais esganiçadas, roucas ou tenebrosas. Também tem os falas-finas. Homens que na puberdade ainda falam como crianças. Tem mulheres que falam grosso.  Outros espirram e continuam falando e se limpando.

 

São tribunos decadentes e frustrados que se consideram mestres, sabidos daquilo que todos sabem. Vazios e desprovidos do senso abalizado comportamental, não se importam no egocentrismo de seus monólogos se os ouvintes pacientes que o assistem se mostram ou não satisfeitos. São ejaculadores de sons nem sempre ouvidos, se quer perceptíveis dada a futilidade insonssa e desbotada, desprovida de qualquer saber. Suas frases se transformam em orações e estas em  intermináveis discursos, onde sem pausa,  ditam saberes inerentes ao nada do que produzem.

 

Falantes que transformam a conversa em sermões. Dão broncas intermináveis. Fazem citações de locuções tiradas de alguma enciclopédia utópica só para revelar a pobreza do próprio saber. Também, aproveitam ocasiões que surgem no dia a dia de qualquer pessoa e rasgam elogios quando poderia ser um simples muito obrigado. São malucos entorpecidos pelo próprio som. São os que sonham e os que narram pesadelos.  E ainda tem aqueles que perguntam: - Sabe o que me lembrei agora?

 

Anônimos, esses locutores desejam tribunas nas quais possam ditar suas ideias e à semelhança de Vargas, Peron,   Alfredo Stroessner, Fidel Castro e outros caudilhos latinos, fingem que não escutam e disfarçam impedindo que saiam de sua volta àqueles que, ora por respeito, ora por educação, suportam ouvi-los. São egocêntricos, egoístas e catequizadores do nada.

 

Enfim, é preciso lembrar que a evolução da espécie humana dispôs a humanidade de dois ouvidos e uma única boca para serem utilizados na proporcionalidade e moderação. Monólogo é conversa de ermitão diante do espelho. Ninguém é obrigado a suportar.

 

Exceção à puxas-sacos, subordinados  e subalternos, nessas ocasiões resta disfarçar e de fininho fugir. Sumir para não ouvir mais ninguém.

 

Roberto J. Pugliese
Autor de Direito das Coisas, 2005, Leud
Titular da Cadeira nº 35 da Academia São José de Letras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário