sábado, 26 de abril de 2014

Para os soldados da borracha a guerra continua !


Setenta anos após!

 

O Brasil é o país do engodo. É histórico e cultural. O povo e o governo tem por hábito secular ludibriarem os ingênuos. Lamentável que a história é repetida, desde que Cabral aportou na Bahia até os dias de hoje. E o povo, ingênuo alguns e malandro outros, gostam de miçangas e de cartórios.

 

O caudilho Vargas em troca de benesses dos Aliados, pressionado pela opinião pública, entrou na guerra mundial por volta de 1942 e entre os acordos firmados, foi incentivar a plantação de borracha, para suprir o estoque necessário que o mercado precisava, posto que a borracha do sudoeste asiático estava com os japoneses.

 

De modo inescrupuloso Getúlio Vargas valeu-se da miséra humana decorrente da seca ordinária e tradicional do Nordeste, especialmente no Ceará e incentivou a migração para o Acre.

 

Durante a Segunda Guerra Mundial, cerca de 60 mil pessoas, a maioria da Região Nordeste, foram alistadas para trabalhar na extração da seringa e reforçar a produção de borracha na Amazônia. A borracha era enviada aos Estados Unidos e usada na indústria bélica dos Aliados para a guerra contra as forças do Eixo.Eram chamados de soldados da borracha.

 

Getúlio Vargas como todo e qualquer ditador prometeu mundos e fundos, inclusive trazer de volta esses miseráveis, após o término da Guerra e indenizá-los  pelo esforço de guerra. No entanto, simplesmente foram abandonados.

 

Desde que chegaram, os soldados da borracha, que saíram de clima seco, foram largados em fazendas perdidas na selva, humidas, longe das famílias que ficaram para trás, sem qualquer preparo e auxilio público.

 

Nunca foram indenizados ou tiveram ajuda para retornar.

 

Fato típico da história do país que se repete sob a vista de todos que fingem que não sabem. A direita, a esquerda e todos que tem poder se omitem. Até aqueles descendentes desses soldados nada fazem, e os que fizeram, assim fizeram, porém muito pouco, pelo tamanho  da tragédia.

 

Agora o Senado aprova u’a emenda constitucional para que esses soldados recebam R$25.000,00.

 

O Expresso Vida indignado, mostra a que ponto o povo brasileiro é abandonado históricamente ao seu próprio destino.

 

Roberto J. Pugliese
titular da cadeira nº35 da Academia São José de Letras.

Nenhum comentário:

Postar um comentário