quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

Brasil vira as costas para Itaóca.


 

TRAGÉDIA DESTROE  ITAÓCA: - Brasil ignora!

 

Na última segunda feira, dia 13 de janeiro um dos rios que corta a cidade de Itaóca, no interior paulista, transbordou e começou a aumentar a trágica situação que teve inicio com o temporal que assolou a região na madrugada anterior e se projetou até o amanhecer.

 

Às pressas cerca de 100 imóveis foram desocupados. A cidade permanecia sem energia elétrica desde a madrugada e os estragos surpreendentes. Ainda 20% do município permanece sem energia.

 

Numa primeira contagem, foram seis os mortos, inclusive uma criança e até agora, já atinge o número de doze, com 15 desaparecidos.

 

Uma testemunha conta que duas pessoas morreram com um automóvel que caiu da ponte sobre o rio Palmital, cheio e com a correnteza extremamente forte. Noutro ponto, as casas foram arrastadas pela enxurrada e os moradores estavam dormindo e foram juntos.

 

Diante da tragédia e da confusão, Ivan Lima proprietário de uma pousada na cidade,  abriu as portas do estabelecimento para atender aos necessitados. Ivan encontrou numa das ruas da cidade morta  uma criança.

 

São muitas as famílias que ficaram ilhadas. A cidade está com as estradas intransitáveis. Prejuízos físicos e financeiros incalculáveis. O acesso à cidade está dificultado com a queda de barreiras. Falta alimento e água potável.

 

O Governador do Estado foi ao local e, impressionado, resolveu permanecer por lá. Dormiu na região e está dando prioridade para salvar as vítimas. No entanto, o governo federal se omite mais uma vez.

 

Não é a primeira vez que alguma tragédia advinda de fatos naturais ocorre no Brasil e no mundo. Também no Estado de São Paulo tem acontecido com certa frequência. A grande diferença é que o povo paulista, rotineiramente tem se unido para ajudar a esses eventos desastrosos e contribuído com valores e bens indispensáveis para reerguer lugares destruídos pela seca, pela chuva, por terremotos, por desabamentos etc.

 

São incontáveis as tragédias e a solidariedade paulista é a regra. Tem sido e sempre será, até porque  pró brasilian fiant eximia é o dístico do seu brasão de armas. Mas quando o evento se dá no território paulista, o brasileiro ignora e deixa a Deus Dará... Salve-se quem puder. Vire-se.

 

E dessa vez também não foi e parece que não será diferente.

 

A presidente Dilma e as autoridades federais não estão se importando com o que ocorreu em Itaóca. Não demonstraram qualquer interesse em fornecer ajuda ao pobre município do Vale do Ribeira.

 

Itaóca é um pequeno município nas proximidades de Iporanga e Apiaí, no alto Ribeira, cercado de parques estaduais, Mata Atlantica, cavernas, grutas, cachoeiras, ribeirões e o majestoso rio Ribeira de Iguape, com uma população estimada em 3.400 habitantes. Um município pobre no sul do Estado de São Paulo. Precisa de ajuda. O povo clama por ajuda para se reerguer. As autoridades paulistas e o povo paulista mais uma vez irá  a luta e haverá de desempenhar o papel caridoso e solidário.

 

Já se registram postos de coletas em diversos municípios do Estado de São Paulo, inclusive nos situados no Vale do Ribeira. Fora das fronteiras do Estado, no entanto, o silencio permanece.

 

Resta o governo federal e o povo brasileiro se apiedar pelo clamor de um povo que teve sua cidade destruída em menos de 10 horas...

 

O Expresso Vida se solidariza e informa que ajudas materiais e donativos podem ser enviados para a Prefeitura Municipal, para a Defesa Civil e para o Palácio dos Bandeirantes na capital paulista. Também nos postos das cidades que instalaram para esse fim.

 

Roberto J. Pugliese


Presidente da Comissão de Direito Notarial e Registros Públicos –OAB-Sc

Membro da Academia Eldoradense de Letras

Membro da Academia Itanhaense de Letras

Titular da Cadeira nº 35 – Academia São José de Letras

Autor de Terrenos de Marinha e seus Acrescidos, Letras Jurídicas

Autor de Direitos das Coisas, Leud

Sócio do Instituto dos Advogados  de Santa Catarina

Nenhum comentário:

Postar um comentário