sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Turismo ignorado. Visite o Piaui.


Conheça o Piauí. Vale à pena.


 

O Expresso Vida traz aos seus ilustrados leitores um texto elaborado por um mochileiro que esteve no Estado do Piaui e deixou suas ótimas impressões a respeito.

Vejamos:


Piauí ao olhar de um turista


 

Lá no Piauí é quente. Muito quente. Teresina banhada pelos rios Poty e Parnaíba em seu inverno faz 37°c. Foi o que registrei em apenas um dia na capital. E no Piauí é “inverno” pois é a época da chuva. Não que faça frio.

 

Lá no Piauí as rodovias não tem buracos. O asfalto é novo. Não são duplicadas. Não tem pedágios e nem CCR. A sinalização deixa a desejar. Jegues gostam de passear nas pistas. É difícil encontrar acostamento. Não vi acidentes. Também não vi polícia. Em 600km apenas 1 posto da PFR.

 

Falando de polícia lá no Piauí parece que não tem. Tantos e tantos quilômetros e cidades que passei e observei poucos carros de polícia. Numa rápida pesquisa o Piauí parece ser o estado mais seguro para se viver do nordeste.

 

Lá no Piauí os ônibus de viagem são melhores do que os do sudeste. O terminal rodoviário de Teresina e de Piripiri provavelmente estão entre os 10 lugares mais quentes do universo. Os ônibus da capital são velhos. O preço da passagem é alto. 2 reais para andar num ônibus de 30 anos atrás. A população deveria queimar todos os ônibus. É o meu conselho.

 

Piauiense não gosta muito de capacete. Até gosta. Mas não na cabeça. Alguns utilizam o capacete no punho. Uma moto transporta 3 a 4 pessoas. Caminhões rodam pelas rodovias com diversas famílias na caçamba. Tudo normal.

 

No Piauí boa parte das cidades (BOA PARTE MESMO) não possuem nenhum sistema de galeria de águas pluviais. Isto deixa um forte cheiro na cidade. A água fica parada. Qualquer chuva deixa as ruas “alagadas” pois não há nenhum escoamento. Me lembrou a Bolívia.

 

No Piauí toda cidade tem um mercado central. Diversos clubes pra dançar. Parece que eles gostam de festa o ano todo. Até mesmo na pequena Cel. José Dias que em pleno domingo tinha festa. O ritmo é o forró com “swingueira”. Divertido.

 

O Piauí tem o 3º maior delta de rio do mundo e o único das Américas. O Delta do Parnaíba com diversas ilhas cheias de dunas formam uma paisagem linda e única.

 

Na cidade de Parnaíba tem o Porto das Barcas que possui arquitetura colonial e está totalmente preservado. Lá que aprendi sobre a história do índio Mandu Ladino.

 

O Piauí tem menor litoral dos estados brasileiros com apenas 66km de praias. Mas é o suficiente. As praias de Luis Corrêa são maravilhosas e inexploradas. Sua tonalidade verde é única. Lá está a praia de Macapá que é a foz do Rio Camurupim. Na praia de Macapá você senta ao lado do ex-governador do Estado (Maosanta) e seus filhos. Lá também é a casa de veraneio deles. Na mesma rua da casa deles é possível encontrar uma mulher aliciando menores de idade pra exploração sexual.

 

Logo alí do outro lado do rio fica a cidade de Barra Grande. Pelo 2º ano consecutivo a praia escolhida pela burguesia paulistana para passar seu revéillon. Navios, helicópteros e aviões. Ouvi dizer que 4 dias de festa custaram R$3,500. Não distante, talvez um pouco depois da Restinga, nas beiras da rodovia já é possível ver a seca. Gados magros, solo seco, rios que não existem mais. Já fazem 4 anos que não há boas chuvas na região. Lá de Barra Grande ninguém viu isto. Te garanto. Também não queriam ver...

 

No sul do Piauí estava verde. Uma grande floresta. Isto é a Caatinga. O único bioma exclusivo do Brasil. Estava verde pois nos últimos 10 dias choveram. Impressionante como que em 10 dias de chuva aquela terra floresce.

 

Lá água é coisa rara. Lá tem ponte sobre rio que não tem rio mais. Água encanada em Cel. José Dias é coisa nova. Energia elétrica também. Luz para Todos em todos os cantos do Estado. Gente da nossa idade cresceu e até pouco tempo tinha que ir buscar água no poço. Mas é só ensinar a esta gente a pescar. Não pode dar o peixe. “Se o negócio já tá ruim imagina a classe média”.

 

Lá se come buchada de bode, arroz Maria Isabel, carne seca, baião de dois, farofa etc. Confesso que é bom. Mas meu organismo não entendeu muito bem toda esta mistura. Lá se bebe cajuína. É bom.

 

Em São Raimundo Nonato tem o museu do homem Americano. Não há placas na cidade indicando. Chegar lá só perguntando. As ruas possuem aquele asfalto esburacado. Quando você chega no museu e olha sua coleção oriunda das escavações, equipamentos de interatividade e conhecimento parece uma ala daqueles museus de arqueologia importantes do mundo que ROUBARAM todo seu acervo de países pobres.

 

Perto dali tem o Parque Nacional da Serra das Capivaras. Um dos parques mais bem estruturados do país. Cheio de pinturas rupestres de mais de 12 mil anos atrás. Seu visual é maravilhoso. Montanhas e chapadas intermináveis. Flora e fauna riquíssimas. Veados, onças, cobras, gaviões, Mocós etc. Tudo devidamente preservado e bem cuidado.

 

Lá também foi encontrado vestígios de presença humana de mais de 50 mil anos atrás. Se confirmado a teoria do estreito de Bering cai por terra. Não viemos do norte!

 

Tudo isto graças a dedicação da doutora Niède Guidon. Que desde a década de 70 luta pela preservação do local. Conseguiu investimento de diversas intituições, de outros países, conseguiu a criação do parque nacional etc. Luta até hoje por investimentos na região e que brasileiros se interessem pelo seu país.

 

O melhor do Piauí é sua gente. As meninas possuem uma beleza ímpar. Povo hospitaleiro e de sorriso fácil. Não são muito preocupados. Te fazem sentir um amigo em poucas horas. Gostam de conversar. Não dispensam ajuda. Se não tem lugar dentro de casa te oferecem uma varanda com rede e uns colchões pra abrigo no meio da noite.

 

Tudo isto lá no Piauí.”

 

Diante do exposto não sobra dúvida que vale à pena conhecer e passear no Estado do Piaui.

Roberto J. Pugliese
Membro da Academia Eldoradense de Letras
Membro da Academia Itanhaense de Letras
Titular da Cadeira nº 35 – Academia São José de Letras

 

( Fonte: Blog Voz da Ilha Grande. Elaborado por Fernando Silva – Graduado em Comunicação Social pela PUC-SP. Consultor em Tecnologia da Informação. Mochileiro. )

 

 

Nenhum comentário:

Postar um comentário