sexta-feira, 21 de março de 2014

São Paulo e Rio de Janeiro brigam pela água do Rio Paraíba do Sul.


Seca: Situação crítica atinge maiores metrópoles brasileira.

 

A seca que atinge a região metropolitana de São Paulo, notadamente sua zona leste e norte, abrangendo a capital paulista e municípios próximos, estão levando as autoridades competentes, inclusive o governador Geraldo Alckmin a idealizar buscar água em mananciais federais.

 

 Recentemente foi solicitado oficialmente junto à Agencia Nacional de Águas – ANA autorização para buscar água no rio Paraíba do Sul, cuja nascente é próxima à Capital e após correr por todo o Vale do Paraíba, segue para o norte do Rio de Janeiro onde deságua nas imediações da cidade de Campos.

 

O rio abastece todas as cidades do Vale do Paraíba desde a nascente até a foz e também a cidade do Rio de Janeiro, motivando assim grande preocupação com a proposta paulista.

 

O projeto estadual, que surge em meio a uma crise hídrica que vive a Grande São Paulo, também pretende captar água da represa Jaguari, na cidade de Igaratá, por meio de uma estação elevatória para atender o reservatório de Cantareira. Se implementada, a medida vai auxiliar na recuperação do sistema, que abastece 8,8 milhões de pessoas na Grande São Paulo.

Também está sendo estudada a captação de água do Rio Ribeira, outro rio federal, que nasce no Estado do Paraná e deságua no Atlântico no município de Iguape. Seria um grande desastre ecológico a implantação desse projeto. E poderá se dar dada as condições climáticas que assolam o planalto de Piratininga.

No último dia 13 de Março aconteceu o encontro dos Comitês de São Paulo e Paraná para discutir essa possibilidade.

Logo haverá de eclodir crise institucional e política entre paulistas e a União, paulistas e paranaenses e paulistas e cariocas, gerando descontentamento geral e muita sede.

Roberto J. Pugliese
Membro da Academia Eldoradense de Letras
Membro da Academia Itanhaense de Letras
Titular da Cadeira nº 35 – Academia São José de Letras

 

Fontes: Diario de Guarapuava e Instituto Sócioambiental

Nenhum comentário:

Postar um comentário